Governo vai dar autonomia a um quarto dos hospitais em 2019

por Teresa Mendes | 21.09.2018

Unidades vão ter liberdade para contratar e investir
Em 2019, o Governo vai dar autonomia a um quarto dos hospitais portugueses, que passarão a poder recrutar e decidir investimentos sem consultar o Ministério da Saúde. Contudo, estes terão de responder pelos tempos de espera, anunciou o ministro da Saúde.

Os ministérios da Saúde e das Finanças, com a dupla tutela dos hospitais EPE, vão lançar «um programa de aplicação, com consequências do estatuto do gestor público e daquilo que está consignado na lei, para que em um quarto dos hospitais portugueses possamos, em 2019, dar autonomia, dar incentivos à gestão, com incentivos para a própria gestão e para o hospital, nomeadamente com reforço de investimento e, sobretudo, de autonomia e capacidade de recrutar», disse esta quarta-feira Adalberto Campos Fernandes no programa «Grande Entrevista», na RTP3.

Frisando que «não há bons ou maus gestores apenas porque lhe é colocada uma etiqueta em cima do casaco», o governante sublinho que «há contextos e há circunstâncias em que essa gestão é exigida».

A iniciativa anunciada pretende dar «capacidade de estabelecer um contrato de programa e adaptar os recursos às necessidades na produção, na atividade assistencial, decidindo os investimentos internamente e respondendo pelos tempos de espera, nomeadamente pelo acesso», referiu ainda o ministro.

Confiante no sucesso da medida, o responsável salientou que «vamos ver que alguns desses gestores serão os mesmos e o desempenho será totalmente diferente porque eles terão condições, liberdade e autonomia». Aliás, na sua opinião, «um enquadramento restritivo, que não dá possibilidade de um gestor exercer as suas competências, é uma limitação».

Em 2019, o Governo vai dar autonomia a um quarto dos hospitais portugueses, que passarão a poder recrutar e decidir investimentos sem consultar o Ministério da Saúde. Contudo, estes terão de responder pelos tempos de espera, anunciou o ministro da Saúde 

Questionado sobre se já há resultados da estrutura criada para avaliar as contas do Serviço Nacional de Saúde, o ministro disse que sim e que «são positivos».

Adalberto Campos Fernandes referiu ainda que a dívida a fornecedores começou a descer e que, apesar de ainda estar acima dos 750 milhões de euros, foram criadas condições para que «a dívida não cresça, antes pelo contrário, diminua mês a mês».

Segundo o governante, está ainda a ser preparada uma injeção adicional de 500 milhões de euros, sobre o financiamento disponibilizado no início do ano para pagamento de dívidas, algo que permitirá entrar em 2019 numa «situação estável».

A entrevista pode ser vista na íntegra aqui

18tm38Q
21 de Setembro de 2018
1838Pub6f18tm38Q

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

21.05.2019

APMGF defende criação de mais 30 USF por ano

Criar mais 30 unidades de saúde familiar (USF) por ano em Portugal é uma das medidas do Projeto-Beta...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

«NBM in Ambulatory Surgery»  em destaque  no 13.º Congresso Internacional d...

O Centro de Congressos da Alfândega do Porto vai receber, entre os dias 27 e 29 de maio, o 13.º Cong...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

1.º Barómetro da Adoção da Telessaúde e de Inteligência Artificial

Os resultados da primeira edição do Barómetro da Adoção da Telessaúde e de Inteligência Artificial,...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

 Executivo abre 1129 vagas para as áreas de MGF, hospitalar e de Saúde Públ...

O Governo cumpriu o prazo de 30 dias para a abertura de concursos após a fixação da lista de classif...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Semana Europeia do Teste da Primavera decorre até 24 de maio

Começa hoje e decorre até 24 de maio, a Semana Europeia do Teste Primavera 2019, organizada pela HIV...

por Teresa Mendes | 17.05.2019

Acordo entre FMUL e Fundação Champalimaud reforça laços existentes

O diretor da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Fausto Pinto, e a presidente da Fundaç...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.