«Acesso à saúde é caro e tem de ser pago», alerta Teodora Cardoso

por Teresa Mendes | 21.09.2018

Presidente do Conselho das Finanças Públicas defende consenso social e político
A presidente do Conselho das Finanças Públicas (CFP) alertou esta quinta-feira para a necessidade do controlo da despesa na saúde, considerando ser necessário atingir um «consenso social e político» neste setor.

«É preciso um consenso social, não só a nível político, mas de todos nós. A ideia de que é gratuito e por isso se pode gastar à vontade não é verdade.
Pode ser gratuito o acesso à saúde e devemos fazer tudo para que continue a ser, mas esse acesso é caro e tem de ser pago», advertiu Teodora Cardoso, na apresentação da segunda edição do relatório «Finanças Públicas: Situação e Condicionantes 2018-2022».

Na opinião da responsável, a saúde é um setor «complexo», mas que «precisa de ser trabalhado», tendo em conta o aumento esperado da despesa devido ao fator de envelhecimento da população e também da evolução tecnológica que, em alguns casos, é cara, como as novas terapias.

«Pode ser gratuito o acesso à saúde e devemos fazer tudo para que continue a ser, mas esse acesso é caro e tem de ser pago», advertiu Teodora Cardoso 

«Durante muitos anos a saúde viveu sob a regra do tendencialmente gratuito, mas nada é gratuito. É preciso que as pessoas aprendam a lidar com isso.
É inevitável o aumento dos custos para a saúde», sublinhou.

Relativamente às contas públicas na generalidade, o CFP projeta, até 2022, uma redução da dívida de quase 20 pontos percentuais, face ao final de 2017, passando de 125,7% do PIB para 106,1% ao longo do exercício.

O relatório pode ser lido na íntegra aqui 

18tm38T
21 de Setembro de 2018
1838Pub6f18tm38T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

12.12.2018

 Infarmed disponibiliza relatório anual sobre estatísticas do medicamento

A Autoridade Nacional do Medicamento divulgou esta terça-feira o seu relatório anual «Estatística do...

por Teresa Mendes | 12.12.2018

Conselho das Finanças Públicas alerta para «restrições efetivas no acesso»...

«Considerando que Portugal possui um sistema nacional de saúde com cobertura automática e integral d...

12.12.2018

Ordem dos Médicos pede «exceção» para operar crianças 

A Ordem dos Médicos (OM) defendeu esta terça-feira, no final de uma reunião com os diretores clínico...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Equipa dedicadas nos serviços de Urgência avançam em 2019

O conceito de Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) será estendido aos serviços de Urgência hos...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE) decidiu abandonar a Convenção Nacional de Saúde (CNS) por considerar qu...

11.12.2018

 Marta Temido defende reflexão profunda para «sair da fase da estagnação»

Passados dez anos sobre a reforma dos cuidados de saúde primários (CSP), a ministra da Saúde defende...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.