Satisfação dos utentes deve contar para a avaliação dos CA dos hospitais

25.09.2018

Medida defendida por Alexandre Lourenço, presidente da APAH 
A satisfação dos utentes deve contar para a avaliação dos conselhos de administração (CA) dos hospitais, defende o presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH).
O responsável alega ainda ser fundamental que os doentes e os profissionais de saúde participem na gestão dos hospitais.

Em entrevista à agência Lusa, a propósito do 27.º congresso da Associação Europeia dos Administradores Hospitalares, que decorre entre quarta e sexta-feira, no Centro de Congresso do Estoril, em Cascais, Alexandre Lourenço afirma que «é necessário criar mecanismos de melhoria da experiência dos doentes nos hospitais», levando-os para a gestão hospitalar, primeiro de modo consultivo, ouvindo as suas opiniões e a sua avaliação.

«Os serviços de saúde estão organizados de forma diferente dos restantes serviços que a população usa. Os hospitais e os centros de saúde mantêm uma organização que é, muitas vezes, avessa à experiência do doente.

Temos de perceber com os doentes que mudanças estruturais têm de existir no sistema», argumenta o presidente da APAH.

O responsável indica, a título de exemplo, que não se devem «chamar os doentes para irem todos os dias, em dias diferentes, fazer procedimentos aos hospitais».
Para isso, defende que é necessário ouvir os doentes, com consultas que podem ser feitas através de inquérito, fazendo até depender a avaliação dos conselhos de administração e dos administradores da opinião dos utentes.

A satisfação dos utentes deve contar para a avaliação dos conselhos de administração dos hospitais, defende o presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares. O responsável alega ainda ser fundamental que os doentes e os profissionais de saúde participem na gestão dos hospitais

«Hoje em dia, de uma forma genérica, nos vários serviços públicos e privados que usamos somos inquiridos sobre a nossa satisfação.
O Serviço Nacional de Saúde (SNS) serve as pessoas, não é um serviço passivo em que as pessoas têm caridosamente acesso a cuidados de saúde», considera.

Os administradores pretendem ainda que os profissionais de saúde participem também na gestão dos hospitais, devendo igualmente contribuir para avaliar o desempenho das administrações.

Uma «avaliação permanente de todos os atores interessados no sistema de saúde» contribuirá para que haja gestores «preparados e qualificados», conclui.  

18tm39E
25 de Setembro de 2018
1839Pub3f18tm39E

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 23.08.2019

Definido o perfil dos alimentos e bebidas com publicidade restrita

O perfil nutricional dos alimentos e bebidas que passam a ter restrições à publicidade a menores de...

por Teresa Mendes | 23.08.2019

16.º Encontro Nacional de Atualização em Infeciologia

A Associação de Apoio às Reuniões de Infeciologia (AARI) vai realizar a 16.ª edição do Encontro Naci...

por Teresa Mendes | 23.08.2019

 Ministério das Finanças impede compra de 75 novas ambulâncias para o INEM

O Ministério das Finanças impediu o INEM de comprar 75 novas ambulâncias para equipar os postos de e...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

3.ª edição do workshop «O doente no centro da imunoterapia»

 A MSD realiza, no próximo dia 12 de outubro, na Sala Tejo do Altice Arena, em Lisboa, a 3.ª edição...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade»

«A Idade do Amanhã – Desafios Éticos da Longevidade» O Conselho Nacional de Ética para as Ciências d...

por Teresa Mendes | 22.08.2019

 USF Extramuros inaugurada

Foi inaugurada, esta quinta-feira, a Unidade de Saúde Familiar (USF) Extramuros, em S. João da Talha...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.