SIM acusa administração do HSM de tratar internos como «carne para canhão»

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 01.10.2018

Jovens médicos «têm sido forçados à prestação de Serviço de Urgência» 
 O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusa a administração dos Hospital de Santa Maria (HSM) de estar a «boicotar a formação» dos médios internos das especialidades médicas de Endocrinologia e Nutrição, Hematologia Clínica, Imunoalergologia, Oncologia Médica e Reumatologia.


Num comunicado, o sindicato afirma que os jovens médicos destas especialidades «têm sido forçados à prestação de Serviço de Urgência (SU) central de Medicina Interna, cumulativamente à obrigatoriedade de realizar urgência nos estágios específicos, à revelia dos respetivos programas de formação».

Segundo o SIM, «das 40 horas semanais de trabalho, 24 estão a ser realizadas em Urgência, em clara desconformidade com o previsto no regime jurídico do internato médico», uma situação que «compromete e reduz a carga horária alocada aos estágios específicos, introduzindo disparidade face aos restantes locais de formação», alerta a nota à Imprensa. 

O SIM lamenta que em vez de servir os doentes do serviço de urgência central de Medicina Interna com especialistas de Medicina Interna e equipas dedicadas, o HSM insista em colocar internos de outras especialidades «como carne para canhão a baixo custo» 

Este facto, «agrava ainda a dificuldade de acesso dos doentes a cuidados destas especialidades, ao diminuir, por exemplo, o tempo alocado pelos internos à consulta», acrescenta o sindicato.

Perguntando «como é que com horários ilegais e com apenas 16 horas semanais do seu tempo alocado aos estágios formativos (excluindo as urgências) se pretende que estes médicos venham a adquirir as competências necessárias para no futuro servir a população», o SIM lamenta ainda que em vez de servir os doentes do SU central de Medicina Interna com especialistas de Medicina Interna e equipas dedicadas, o HSM insista em colocar internos de outras especialidades «como carne para canhão a baixo custo», comprometendo de forma clara a formação dos mesmos.

18tm40C
01 de Outubro de 2018
1840Pub2f18tm40C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.12.2018

USF Ilumina dá médico de família a 7200 utentes de S. Domingos de Rana

Foi hoje inaugurada a USF Ilumina, em São Domingos de Rana, numa cerimónia em que participaram o pre...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Nova Lei de Bases da Saúde abre a porta à exclusividade no SNS

A proposta da Lei de Bases da Saúde, aprovada esta quinta-feira no Conselho de Ministros, abre a por...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

 Enfermeiros pagos para continuar a fazer greve

O movimento de enfermeiros que recolhe fundos para a greve prolongada em blocos operatórios angariou...

por Teresa Mendes | 14.12.2018

Doenças respiratórias: Madeira tem maior taxa de mortalidade da Europa

O 13.º relatório do Observatório Nacional de Doenças Respiratórias (ONDR) mostra que as doenças resp...

13.12.2018

Marta Temido diz que «não abundam pediatras no país»

 O bastonário da Ordem dos médicos (OM) apelou esta quarta-feira à ministra da Saúde para que resolv...

13.12.2018

 “Grupo dos 44” quer voltar a ser ouvido sobre Lei de Bases da Saúde

Os 44 subscritores dos «Princípios Orientadores da Saúde para uma Lei de Bases da Saúde» querem ser...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.