SIM acusa administração do HSM de tratar internos como «carne para canhão»

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 01.10.2018

Jovens médicos «têm sido forçados à prestação de Serviço de Urgência» 
 O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) acusa a administração dos Hospital de Santa Maria (HSM) de estar a «boicotar a formação» dos médios internos das especialidades médicas de Endocrinologia e Nutrição, Hematologia Clínica, Imunoalergologia, Oncologia Médica e Reumatologia.


Num comunicado, o sindicato afirma que os jovens médicos destas especialidades «têm sido forçados à prestação de Serviço de Urgência (SU) central de Medicina Interna, cumulativamente à obrigatoriedade de realizar urgência nos estágios específicos, à revelia dos respetivos programas de formação».

Segundo o SIM, «das 40 horas semanais de trabalho, 24 estão a ser realizadas em Urgência, em clara desconformidade com o previsto no regime jurídico do internato médico», uma situação que «compromete e reduz a carga horária alocada aos estágios específicos, introduzindo disparidade face aos restantes locais de formação», alerta a nota à Imprensa. 

O SIM lamenta que em vez de servir os doentes do serviço de urgência central de Medicina Interna com especialistas de Medicina Interna e equipas dedicadas, o HSM insista em colocar internos de outras especialidades «como carne para canhão a baixo custo» 

Este facto, «agrava ainda a dificuldade de acesso dos doentes a cuidados destas especialidades, ao diminuir, por exemplo, o tempo alocado pelos internos à consulta», acrescenta o sindicato.

Perguntando «como é que com horários ilegais e com apenas 16 horas semanais do seu tempo alocado aos estágios formativos (excluindo as urgências) se pretende que estes médicos venham a adquirir as competências necessárias para no futuro servir a população», o SIM lamenta ainda que em vez de servir os doentes do SU central de Medicina Interna com especialistas de Medicina Interna e equipas dedicadas, o HSM insista em colocar internos de outras especialidades «como carne para canhão a baixo custo», comprometendo de forma clara a formação dos mesmos.

18tm40C
01 de Outubro de 2018
1840Pub2f18tm40C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.