Procedimentos informáticos supérfluos penalizam tempo destinado aos doentes

08.10.2018

OM condena falhas e obstáculos informáticos à PEM 
O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) alerta o Ministério da Saúde (MS) e a Serviços Partilhados (SPMS) para «o agravamento da já excessiva burocratização informática que envolve a emissão das “receitas sem papel”».
Num comunicado, Miguel Guimarães salienta que são os doentes que saem penalizados.

«São exigidos aos médicos cada vez mais procedimentos informáticos supérfluos que só vêm penalizar o tempo destinado a observar os doentes e criar obstáculos administrativos que condicionam a qualidade dos cuidados de saúde prestados e a relação médico-doente», lê-se na nota à Imprensa emitida nesta sexta-feira.
 
A preocupação já foi remetida ao MS e à SPMS sob a forma de um ofício, que dá conta do impacto negativo que a crescente burocratização que envolve a Prescrição Médica Eletrónica (PEM) está a ter na atividade assistencial aos doentes.

Em causa está uma circular normativa na qual é requerida aos médicos mais um procedimento a executar na emissão de receituário em caso de falha informática, o que vem aumentar o tempo dedicado ao computado. 

«Devido às muitas falhas informáticas que se repetem no sistema da prescrição da “receita sem papel”, a SPMS pede agora aos médicos um procedimento informático extra – informar o helpdesk (gabinete de apoio informático) da falência do sistema informático para que se gere um número de código a incluir na versão manual da receita», lamenta a OM. 

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) alerta o Ministério da Saúde (MS) e a Serviços Partilhados (SPMS) para «o agravamento da já excessiva burocratização informática que envolve a emissão das “receitas sem papel”». Num comunicado, Miguel Guimarães salienta que são os doentes que saem penalizados

Segundo o comunicado, esta alteração tem sido contestada pelos médicos já que prejudica a qualidade do seu trabalho e é agora rejeitada num parecer do Conselho Nacional das Novas Tecnologias da OM, que destaca que, na própria Portaria (284-A/2016) referente à prescrição manual, «não existe nenhuma obrigação de efetuar colocação manuscrita de um código de erro, de forma a validar a receita manual».
Entretanto, numa resposta enviada à agência Lusa, a SPMS alega que o objetivo é «facultar informação rigorosa sobre os constrangimentos que impedem os médicos de usar o sistema eletrónico, em caso de falência», para garantir que os problemas são analisados e resolvidos.

«Relativamente à forma como os serviços se organizam para proceder à notificação de falhas informáticas, é um assunto interno sobre o qual a SPMS não comenta», acrescenta a resposta escrita.  

18tm41B
08 de Outubro de 2018
1841Pub2f18tm41B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

12.12.2018

 Infarmed disponibiliza relatório anual sobre estatísticas do medicamento

A Autoridade Nacional do Medicamento divulgou esta terça-feira o seu relatório anual «Estatística do...

por Teresa Mendes | 12.12.2018

Conselho das Finanças Públicas alerta para «restrições efetivas no acesso»...

«Considerando que Portugal possui um sistema nacional de saúde com cobertura automática e integral d...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Equipa dedicadas nos serviços de Urgência avançam em 2019

O conceito de Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) será estendido aos serviços de Urgência hos...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

Ordem dos Enfermeiros abandona Convenção Nacional de Saúde

A Ordem dos Enfermeiros (OE) decidiu abandonar a Convenção Nacional de Saúde (CNS) por considerar qu...

11.12.2018

 Marta Temido defende reflexão profunda para «sair da fase da estagnação»

Passados dez anos sobre a reforma dos cuidados de saúde primários (CSP), a ministra da Saúde defende...

por Teresa Mendes | 11.12.2018

António Miguel Peres Correia é o novo presidente da SPDV

António Miguel Peres Correia é o novo presidente da Sociedade Portuguesa de Dermatologia e Venereolo...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.