Procedimentos informáticos supérfluos penalizam tempo destinado aos doentes

08.10.2018

OM condena falhas e obstáculos informáticos à PEM 
O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) alerta o Ministério da Saúde (MS) e a Serviços Partilhados (SPMS) para «o agravamento da já excessiva burocratização informática que envolve a emissão das “receitas sem papel”».
Num comunicado, Miguel Guimarães salienta que são os doentes que saem penalizados.

«São exigidos aos médicos cada vez mais procedimentos informáticos supérfluos que só vêm penalizar o tempo destinado a observar os doentes e criar obstáculos administrativos que condicionam a qualidade dos cuidados de saúde prestados e a relação médico-doente», lê-se na nota à Imprensa emitida nesta sexta-feira.
 
A preocupação já foi remetida ao MS e à SPMS sob a forma de um ofício, que dá conta do impacto negativo que a crescente burocratização que envolve a Prescrição Médica Eletrónica (PEM) está a ter na atividade assistencial aos doentes.

Em causa está uma circular normativa na qual é requerida aos médicos mais um procedimento a executar na emissão de receituário em caso de falha informática, o que vem aumentar o tempo dedicado ao computado. 

«Devido às muitas falhas informáticas que se repetem no sistema da prescrição da “receita sem papel”, a SPMS pede agora aos médicos um procedimento informático extra – informar o helpdesk (gabinete de apoio informático) da falência do sistema informático para que se gere um número de código a incluir na versão manual da receita», lamenta a OM. 

O bastonário da Ordem dos Médicos (OM) alerta o Ministério da Saúde (MS) e a Serviços Partilhados (SPMS) para «o agravamento da já excessiva burocratização informática que envolve a emissão das “receitas sem papel”». Num comunicado, Miguel Guimarães salienta que são os doentes que saem penalizados

Segundo o comunicado, esta alteração tem sido contestada pelos médicos já que prejudica a qualidade do seu trabalho e é agora rejeitada num parecer do Conselho Nacional das Novas Tecnologias da OM, que destaca que, na própria Portaria (284-A/2016) referente à prescrição manual, «não existe nenhuma obrigação de efetuar colocação manuscrita de um código de erro, de forma a validar a receita manual».
Entretanto, numa resposta enviada à agência Lusa, a SPMS alega que o objetivo é «facultar informação rigorosa sobre os constrangimentos que impedem os médicos de usar o sistema eletrónico, em caso de falência», para garantir que os problemas são analisados e resolvidos.

«Relativamente à forma como os serviços se organizam para proceder à notificação de falhas informáticas, é um assunto interno sobre o qual a SPMS não comenta», acrescenta a resposta escrita.  

18tm41B
08 de Outubro de 2018
1841Pub2f18tm41B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.