Maioria dos médicos americanos estão «desencantados com sua profissão»

por Teresa Mendes | 10.10.2018

Sete em cada 10 clínicos não recomendaria a profissão aos seus filhos 
 Sete em cada 10 médicos americanos não recomendaria a profissão aos seus filhos ou a outros membros da família e mais de metade está a pensar em reformar-se nos próximos cinco anos, incluindo um terço dos que têm menos de 50 anos, revela um estudo da The Doctors Company.

Divulgado pela Medscape, o inquérito, que incluiu mais de 3400 médicos dos Estados Unidos da América revelou que os clínicos estão «desencantados com a prática da medicina».

Segundo os autores, muitos dos clínicos vêm a adoção do registo de saúde eletrónico (RSE) e os novos modelos de pagamento de acordo com o desempenho como comprometedores da tradicional relação médico-doente e da qualidade dos cuidados médicos.

Entre as principais descobertas do estudo está o facto de mais de metade dos médicos (54%) planearem reformar-se nos próximos cinco anos devido à pressão, aumento da carga administrativa e diminuição do valor da reforma.

O inquérito revelou igualmente que mais de metade dos médicos (54%) acredita que os RSE tiveram um impacto negativo nas relações médico-doente e quase dois terços (61%) acredita que os mesmos estão também a ter um impacto negativo na eficiência e produtividade.

«Muitos comentários sugerem que os médicos estão frustrados com a funcionalidade, confiabilidade e falta de interoperabilidade dos seus RSE», observam os autores.

Mais de 40% dos inquiridos consideram que os cuidados baseados no pagamento de acordo com o desempenho terão um impacto negativo na relação médico-paciente.
 
Sete em cada 10 médicos americanos não recomendaria a sua profissão aos seus filhos ou a outros membros da família e mais de metade está a pensar em reformar-se nos próximos cinco anos, incluindo um terço dos que têm menos de 50 anos, revela um estudo da The Doctors Company

«Muitos médicos temem que o pagamento por desempenho não leve em conta as nuances da relação médico-paciente e coloque um foco nos dados populacionais, em vez de resultados individuais», consideram os investigadores. 
Quase dois terços (62%) dos entrevistados afirmou que não planeiam mudar a forma como praticam medicina e três quartos (75%) planeiam manter-se independentes.

O estudo incluiu médicos em diversas especialidades médicas de 49 estados e do Distrito de Columbia, tendo o relatório sido criado em parceria com a Modern Healthcare Custom Media.

18tm41K
10 de Outubro de 2018
1841Pub4f18tm41K

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.