Maioria dos portugueses diz que saúde não é uma prioridade para o Governo

11.10.2018

Inquérito realizado no âmbito do projeto «3F» 
Três em cada quatro portugueses consideram que a saúde não é uma prioridade para o Governo, apontando para pouca preocupação com os utentes, demoras no atendimento e falta de profissionais de saúde, revela um inquérito realizado no âmbito do projeto «3F – Financiamento, Fórmula para o Futuro», da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares (APAH).

O inquérito, que foi realizado a mais de 600 adultos portugueses, tendo em conta a estratificação da população, revela que «74% dos inquiridos diz que a saúde não é uma prioridade para o Governo em Portugal».

Esta maioria considera, nomeadamente, que existe «pouca preocupação com a saúde dos utente», que «os tempos de espera longos», que existe «falta de médicos/profissionais de saúde» e também um «baixo investimento na saúde».

Os inquiridos criticam sobretudo o tempo de espera para cirurgias e para primeiras consultas, sendo que os portugueses que moram no interior são mais críticos do acesso ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) do que os que vivem no litoral.

Na sua última visita ao hospital, quase nove em cada dez inquiridos recorreram ao serviço público, mas quase 30% diz que escolheu uma unidade do SNS por ser mais barato do que o privado.

Aliás, os inquiridos caracterizam os hospitais privados como mais rápidos e com melhor atendimento e avaliam-nos melhor em vários critérios. Contudo, na competência e conhecimentos dos profissionais de saúde a diferença entre público e privado é quase nula.

Três em cada quatro portugueses consideram que a saúde não é uma prioridade para o Governo, apontando para pouca preocupação com os utentes, demoras no atendimento e falta de profissionais de saúde

É no item dos tempos de espera para consultas e exames que os hospitais públicos surgem mais penalizados na avaliação comparativa com as unidades privadas.

Quanto ao financiamento, os inquiridos consideram que a saúde é a segunda área a receber mais financiamento estatal, seguida da segurança social.
Ainda assim, 70% entendem que o valor atribuído à saúde é insuficiente.

O relatório final, que foi apresentado esta quarta-feira, em Lisboa, está disponível aqui 

18tm41P
11 de Outubro de 2018
1841Pub5f18tm41P

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Le...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadament...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

APDIP reclama estatuto de doença crónica para as imunodeficiências primária...

Na semana mundial dedicada às imunodeficiências Primárias, que se assinala de 22 a 29 de abril, a As...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Instituto de Medicina Legal passa a realizar autópsias aos fins-de-semana e...

O Conselho de Ministros (CM) aprovou nesta quinta-feira a proposta de lei que permite ao Instituto N...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Fisioterapeutas contra regulamento do Acto Médico

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (Apfisio) está contra o projeto de regulamento do Acto Mé...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

 Luís Martins Amaro nomeado novo presidente do Hospital Garcia de Orta

O actual diretor executivo do agrupamento de centros de saúde Almada-Seixal, Luís Manuel Martins Ama...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.