Proposta do OE para 2019 aposta na melhoria do funcionamento dos hospitais

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 16.10.2018

Novo modelo de financiamento e injeção de mais dinheiro para pagar dívidas
Um novo modelo de financiamento para 11 hospitais, mais dinheiro para pagar as dívidas dos hospitais à Indústria Farmacêutica e ainda a revisão dos tempos máximos de resposta garantidos e das listas de utentes nos CSP são algumas das propostas inscritas na proposta do Orçamento do Estado (OE) para 2019, entregue esta segunda-feira na Assembleia da República.

Entre as principais medidas estão as seguintes:

- Injeção de mais 500 milhões de euros nos hospitais EPE ainda este ano para pagar dívidas em atraso

Segundo o documento, a esta injeção vai ser feita «não apenas com base na dívida vencida, mas também com base no valor do contrato-programa de 2018 e num critério de eficiência». 
O relatório salienta que se mantém em vigor em 2019 a contribuição extraordinária sobre a indústria farmacêutica, taxa que ocorre desde 2014.

- Revisão dos tempos máximos de resposta garantidos

Em 2019, o Executivo pensa rever os tempos máximos de resposta garantidos, com o objetivo de melhorar o acesso à saúde. De acordo com a proposta de Lei, “haverá uma redefinição dos Tempos Máximos de Resposta Garantidos (TMRG) para todo o tipo de prestações de saúde sem carácter de urgência, que representam alterações significativas ao nível da definição de tempos de espera nos cuidados de saúde primários”.
Recorde-se que no início de julho, a Entidade Reguladora da Saúde alertou para as dificuldades em monitorizar os tempos de espera nos centros de saúde.

Um novo modelo de financiamento para 11 hospitais e mais dinheiro para pagar as dívidas dos hospitais à Indústria Farmacêutica são algumas das propostas inscritas na proposta do Orçamento do Estado para 2019 

- Listas de utentes por médico de família serão revistas quando se atingir a cobertura de 99%

O Governo afirma que vai tomar “as medidas adequadas para que todos os portugueses tenham um médico de família”. Contudo, salienta que a revisão do número de utentes por médico de família, com vista à sua redução, só avançará quando a cobertura for praticamente total.

«Em  2019, o Governo irá rever a dimensão da lista de utentes inscritos por médico de família», quando «a taxa de cobertura total de utentes com médico de família for igual ou superior a 99%», lê-se no documento.

Recorde-se que os sindicatos reivindicam a redução do número de utentes aos valores que existiam antes da entrada da troika em Portugal. Ou seja, passar dos atuais 1900 utentes para os 1550 por médico de família. 

- Novo modelo de financiamento para 11 hospitais

Segundo a proposta de OE, a Tutela vai avançar com um novo modelo de financiamento para 11 hospitais, um projeto-piloto que tem como objetivo «melhorar o financiamento dos hospitais mais eficientes que têm gerado dívida com alguma regularidade e onde, portanto, há indícios de suborçamentação».

De acordo com o relatório, os hospitais serão divididos por três grupos, sendo que no primeiro estão incluídas estas 11 unidades identificadas como mais eficientes e às «quais foi atribuído no âmbito do contrato-programa, um orçamento mais alinhado com a dimensão da sua atividade».

«Em simultâneo ao reforço orçamental, foi revisto o contrato de gestão que irá ser assinado até final do ano, no sentido de responsabilizar os gestores dos hospitais, através de incentivos e penalizações baseados no seu desempenho assistencial e económico-financeiro”, explica ainda o Orçamento.

No segundo grupo estarão hospitais de eficiência considerada média, um grupo «selecionado para um acompanhamento regular através da monitorização dos objetivos dos contrato-programa e contrato de gestão, no sentido de melhorar a eficiência e vir a tornar-se elegível para reforço orçamental no futuro».

No terceiro constam os hospitais classificados como tendo uma baixa eficiência e que terão um «seguimento mais sistemático» por peritos de gestão hospitalar, além do mesmo acompanhamento do segundo grupo, «no sentido de identificar e apoiar a implementação de medidas concretas de melhoria da eficiência e quebra dos ciclos de endividamento».

- Reforço da proteção dos cuidadores informais

A proposta de OE reconhece a importância dos cuidadores informais no OE2019 e compromete-se a desenvolver medidas de proteção social. Contudo, não inclui algum tipo de previsão financeira para as acolher.

Mais informações 

18tm42G
16 de Outubro de 2018
1842Pub2f18tm42G

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.