Administração do Hospital de Braga garante que Serviço de Obstetrícia é seguro

por Teresa Mendes | 16.10.2018

Em resposta à denuncia da OM sobre a falta de clínicos
A administração do Hospital de Braga garante, no que diz respeito ao funcionamento do seu Serviço de Ginecologia/Obstetrícia, que «estão asseguradas as condições de segurança clínica na prestação de cuidados de Saúde à população da região do Minho». 

Em comunicado, o hospital responde desta forma às declarações do bastonário da Ordem dos Médicos (OM) que, numa visita ao hospital, na passada quinta-feira, dia 11, afirmou que para continuar a «oferecer segurança e confiança» aos utentes é imprescindível o reforço do número de especialistas. 

Miguel Guimarães disse, na altura, que «um bom exemplo disso é o Serviço de Urgência do bloco de partos que apenas tem três médicos de serviço durante a noite quando no mínimo deveria ter quatro».

Na nota à Imprensa, a administração da unidade argumenta que «a falta de oferta de especialistas de Ginecologia/Obstetrícia disponíveis no mercado tem dificultado as contratações, uma limitação que espelha uma realidade nacional». 

A administração do Hospital de Braga garante, no que diz respeito ao funcionamento do seu Serviço de Ginecologia/Obstetrícia, que «estão asseguradas as condições de segurança clínica na prestação de cuidados de Saúde à população da região do Minho»

Segundo o comunicado, aquele Serviço conta atualmente com 32 médicos especialistas e vem, ao longo dos anos, mantendo uma contratação regular, salientando igualmente a informação que «nos últimos sete anos reforçou a equipa em 11 médicos» e que «desde o início deste ano a administração do Hospital de Braga autorizou a contratação de mais três médicos desta especialidade».

De acordo com a administração, «estas últimas contratações pretendem fazer face ao aumento de partos registados, conforme tendência nacional, no decorrer do ano anterior e deste ano e, ainda, para fazer face a outras áreas de atividade deste Serviço».

18tm42i
16 de Outubro de 2018
1842Pub3f18tm42i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 05.12.2019

Curso de Medicina na Católica chumbado pela Agência de Acreditação

A Agência de Avaliação e Acreditação do Ensino Superior (A3ES) chumbou a abertura de um curso de Med...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

ADSE passa a ser tutelada pelo Ministério da Administração Pública

A ADSE já não é da tutela do Ministério da Saúde. Segundo o regime da organização e funcionamento do...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Médicos de Medicina Interna são insuficientes manter o SU dos HUC

Vinte médicos especialistas em Medicina Interna enviaram declaração de responsabilidade à Ordem dos...

por Teresa Mendes | 05.12.2019

 Reduzir o colesterol mais cedo pode diminuir risco cardiovascular mais tar...

Reduzir os níveis de colesterol com medicamentos em pessoas com menos de 45 anos pode reduzir o risc...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Esperança de vida em Portugal é maior do que na média dos países da EU

A esperança de vida em Portugal «aumentou substancialmente na última década», nomeadamente com a red...

por Teresa Mendes | 04.12.2019

Iniciativa apela à liquidação de todas as dívidas com mais de 90 dias a for...

A Apifarma, a Confederação Empresarial de Portugal (CIP) e a Associação Cristã de Empresários e Gest...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.