Administração do Hospital de Braga garante que Serviço de Obstetrícia é seguro

por Teresa Mendes | 16.10.2018

Em resposta à denuncia da OM sobre a falta de clínicos
A administração do Hospital de Braga garante, no que diz respeito ao funcionamento do seu Serviço de Ginecologia/Obstetrícia, que «estão asseguradas as condições de segurança clínica na prestação de cuidados de Saúde à população da região do Minho». 

Em comunicado, o hospital responde desta forma às declarações do bastonário da Ordem dos Médicos (OM) que, numa visita ao hospital, na passada quinta-feira, dia 11, afirmou que para continuar a «oferecer segurança e confiança» aos utentes é imprescindível o reforço do número de especialistas. 

Miguel Guimarães disse, na altura, que «um bom exemplo disso é o Serviço de Urgência do bloco de partos que apenas tem três médicos de serviço durante a noite quando no mínimo deveria ter quatro».

Na nota à Imprensa, a administração da unidade argumenta que «a falta de oferta de especialistas de Ginecologia/Obstetrícia disponíveis no mercado tem dificultado as contratações, uma limitação que espelha uma realidade nacional». 

A administração do Hospital de Braga garante, no que diz respeito ao funcionamento do seu Serviço de Ginecologia/Obstetrícia, que «estão asseguradas as condições de segurança clínica na prestação de cuidados de Saúde à população da região do Minho»

Segundo o comunicado, aquele Serviço conta atualmente com 32 médicos especialistas e vem, ao longo dos anos, mantendo uma contratação regular, salientando igualmente a informação que «nos últimos sete anos reforçou a equipa em 11 médicos» e que «desde o início deste ano a administração do Hospital de Braga autorizou a contratação de mais três médicos desta especialidade».

De acordo com a administração, «estas últimas contratações pretendem fazer face ao aumento de partos registados, conforme tendência nacional, no decorrer do ano anterior e deste ano e, ainda, para fazer face a outras áreas de atividade deste Serviço».

18tm42i
16 de Outubro de 2018
1842Pub3f18tm42i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Le...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadament...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

APDIP reclama estatuto de doença crónica para as imunodeficiências primária...

Na semana mundial dedicada às imunodeficiências Primárias, que se assinala de 22 a 29 de abril, a As...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Instituto de Medicina Legal passa a realizar autópsias aos fins-de-semana e...

O Conselho de Ministros (CM) aprovou nesta quinta-feira a proposta de lei que permite ao Instituto N...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Fisioterapeutas contra regulamento do Acto Médico

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (Apfisio) está contra o projeto de regulamento do Acto Mé...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

 Luís Martins Amaro nomeado novo presidente do Hospital Garcia de Orta

O actual diretor executivo do agrupamento de centros de saúde Almada-Seixal, Luís Manuel Martins Ama...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.