Urgências têm metade dos médicos anestesiologistas necessários

por Teresa Mendes | 24.10.2018

SMZS denuncia agravamento da situação no Hospital Amadora-Sintra 
«Nos últimos meses a situação da especialidade de Anestesia ao nível das equipas de Urgência do Hospital Amadora-Sintra tem vindo a agravar-se progressivamente, sem que se vislumbrem quaisquer medidas concretas da administração, e em particular do seu diretor clínico, para solucionar este grave problema», denuncia o Sindicato dos Médicos da Zona Sul num comunicado.

Segundo o sindicato, neste momento, «em vez de 24 médicos desta especialidade a fazer Urgência em escalas de 24 horas, apenas existem 13, havendo mais quatro a realizar períodos de 12 horas diurnas».

O comunicado denuncia igualmente que «ainda este mês, mais três médicos desta especialidade deixaram esta unidade hospitalar, tornando mais deficitários os seus efetivos» e que «as equipas de Anestesiologia na Urgência foram reorganizadas, ficando com apenas dois especialistas», quando o Colégio da Especialidade de Anestesiologia da Ordem dos Médicos recomenda que o número adequado de médicos desta especialidade nas escalas de urgência seja de quatro.

Para o SMZS esta situação «reveste-se de uma extrema gravidade, comportando riscos elevados para estes médicos especialistas e, sobretudo, para os doentes», informando que os médicos têm enviado para a Ordem dos Médicos e para o diretor clínico do hospital, minutas diárias onde «declinam quaisquer responsabilidades por eventuais ocorrências graves para os doentes que possam vir a surgi».

«As equipas de Anestesiologia na Urgência foram reorganizadas, ficando com apenas dois especialistas», quando o Colégio da Especialidade de Anestesiologia da Ordem dos Médicos recomenda que o número adequado de médicos desta especialidade nas escalas de urgência seja de quatro 

Contudo, segundo o sindicato, as minutas «continuam a não ter qualquer resultado», o que tem determinado que «vários médicos anestesistas estejam a equacionar deixar de trabalhar nesta unidade hospitalar».

«Estamos perante uma escandalosa situação reveladora do potencial desprezo pelo valor essencial da vida humana por parte da respetiva administração hospitalar», sublinha o sindicato, considerando «ainda mais grave» o facto de esta se arrastar no tempo e os seus responsáveis «continuarem impunes nas suas funções».

18tm43i
24 de Outubro de 2018
1843Pub4f18tm43i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 O polémico uso de exames com radiação nas doenças coronárias 

Numa altura em que a prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares se reveste de maior importâ...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Trofa Saúde Hospital abre dia 8 de abril em Loures

A primeira unidade no Sul do país do Grupo Trofa Saúde Hospital vai situar-se no LoureShopping, com...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Três gerações vão organizar 40.º aniversário do SNS

O ex-diretor-geral da Saúde Francisco George, a subdiretora-geral da Saúde e administradora hospital...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Após descida histórica, dívida dos hospitais volta a crescer

 Após uma descida histórica de quase 30% em dezembro passado, a dívida dos hospitais à indústria far...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

20.03.2019

 APMGF teme que consultas por telemóvel aumentem as desigualdades

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) critica a nova ferramenta...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.