Urgências têm metade dos médicos anestesiologistas necessários

por Teresa Mendes | 24.10.2018

SMZS denuncia agravamento da situação no Hospital Amadora-Sintra 
«Nos últimos meses a situação da especialidade de Anestesia ao nível das equipas de Urgência do Hospital Amadora-Sintra tem vindo a agravar-se progressivamente, sem que se vislumbrem quaisquer medidas concretas da administração, e em particular do seu diretor clínico, para solucionar este grave problema», denuncia o Sindicato dos Médicos da Zona Sul num comunicado.

Segundo o sindicato, neste momento, «em vez de 24 médicos desta especialidade a fazer Urgência em escalas de 24 horas, apenas existem 13, havendo mais quatro a realizar períodos de 12 horas diurnas».

O comunicado denuncia igualmente que «ainda este mês, mais três médicos desta especialidade deixaram esta unidade hospitalar, tornando mais deficitários os seus efetivos» e que «as equipas de Anestesiologia na Urgência foram reorganizadas, ficando com apenas dois especialistas», quando o Colégio da Especialidade de Anestesiologia da Ordem dos Médicos recomenda que o número adequado de médicos desta especialidade nas escalas de urgência seja de quatro.

Para o SMZS esta situação «reveste-se de uma extrema gravidade, comportando riscos elevados para estes médicos especialistas e, sobretudo, para os doentes», informando que os médicos têm enviado para a Ordem dos Médicos e para o diretor clínico do hospital, minutas diárias onde «declinam quaisquer responsabilidades por eventuais ocorrências graves para os doentes que possam vir a surgi».

«As equipas de Anestesiologia na Urgência foram reorganizadas, ficando com apenas dois especialistas», quando o Colégio da Especialidade de Anestesiologia da Ordem dos Médicos recomenda que o número adequado de médicos desta especialidade nas escalas de urgência seja de quatro 

Contudo, segundo o sindicato, as minutas «continuam a não ter qualquer resultado», o que tem determinado que «vários médicos anestesistas estejam a equacionar deixar de trabalhar nesta unidade hospitalar».

«Estamos perante uma escandalosa situação reveladora do potencial desprezo pelo valor essencial da vida humana por parte da respetiva administração hospitalar», sublinha o sindicato, considerando «ainda mais grave» o facto de esta se arrastar no tempo e os seus responsáveis «continuarem impunes nas suas funções».

18tm43i
24 de Outubro de 2018
1843Pub4f18tm43i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.