Urgências têm metade dos médicos anestesiologistas necessários

por Teresa Mendes | 24.10.2018

SMZS denuncia agravamento da situação no Hospital Amadora-Sintra 
«Nos últimos meses a situação da especialidade de Anestesia ao nível das equipas de Urgência do Hospital Amadora-Sintra tem vindo a agravar-se progressivamente, sem que se vislumbrem quaisquer medidas concretas da administração, e em particular do seu diretor clínico, para solucionar este grave problema», denuncia o Sindicato dos Médicos da Zona Sul num comunicado.

Segundo o sindicato, neste momento, «em vez de 24 médicos desta especialidade a fazer Urgência em escalas de 24 horas, apenas existem 13, havendo mais quatro a realizar períodos de 12 horas diurnas».

O comunicado denuncia igualmente que «ainda este mês, mais três médicos desta especialidade deixaram esta unidade hospitalar, tornando mais deficitários os seus efetivos» e que «as equipas de Anestesiologia na Urgência foram reorganizadas, ficando com apenas dois especialistas», quando o Colégio da Especialidade de Anestesiologia da Ordem dos Médicos recomenda que o número adequado de médicos desta especialidade nas escalas de urgência seja de quatro.

Para o SMZS esta situação «reveste-se de uma extrema gravidade, comportando riscos elevados para estes médicos especialistas e, sobretudo, para os doentes», informando que os médicos têm enviado para a Ordem dos Médicos e para o diretor clínico do hospital, minutas diárias onde «declinam quaisquer responsabilidades por eventuais ocorrências graves para os doentes que possam vir a surgi».

«As equipas de Anestesiologia na Urgência foram reorganizadas, ficando com apenas dois especialistas», quando o Colégio da Especialidade de Anestesiologia da Ordem dos Médicos recomenda que o número adequado de médicos desta especialidade nas escalas de urgência seja de quatro 

Contudo, segundo o sindicato, as minutas «continuam a não ter qualquer resultado», o que tem determinado que «vários médicos anestesistas estejam a equacionar deixar de trabalhar nesta unidade hospitalar».

«Estamos perante uma escandalosa situação reveladora do potencial desprezo pelo valor essencial da vida humana por parte da respetiva administração hospitalar», sublinha o sindicato, considerando «ainda mais grave» o facto de esta se arrastar no tempo e os seus responsáveis «continuarem impunes nas suas funções».

18tm43i
24 de Outubro de 2018
1843Pub4f18tm43i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.