Utentes do SNS vão poder realizar exames no Hospital das Forças Armadas

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 24.10.2018

Portaria define que colaboração tem início no próximo dia 1 de novembro
A partir de 1 de novembro, os doentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) passam a poder realizar meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDT) no Hospital das Forças Armadas (HFAR), informa uma Portaria dos ministérios da Defesa e da Saúde, publicada hoje no Diário da República, e ainda assinada pelo anterior ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes.

O texto do diploma reconhece que «o SNS não tem capacidade para suprir integralmente as suas necessidades através da sua própria rede de estabelecimentos e serviços» e que o HFAR, embora não esteja integrado na rede de estabelecimentos e serviços do SNS, «é uma estrutura pública de prestação de cuidados de saúde com capacidade de resposta diferenciada, também na área da realização de meios complementares de diagnóstico e terapêutica».

Segundo a Portaria «foram identificadas as áreas e os equipamentos médicos pesados de saúde do HFAR com interesse para o SNS e em que, na capacidade sobrante do HFAR, podem ser disponibilizadas ao SNS».

O texto do diploma salienta que o HFAR, embora não esteja integrado na rede de estabelecimentos e serviços do SNS, «é uma estrutura pública de prestação de cuidados de saúde com capacidade de resposta diferenciada, também na área da realização de MCDT»

Os preços dos serviços a prestar pelo HFAR no âmbito da realização de MCDT, enquanto entidade de destino, são os previstos nas Tabelas de Preços do SNS e na Tabela de Preços no âmbito das convenções do SNS (Tabela MCDT Convencionados, disponível no sítio da Internet da Administração Central do Sistema de Saúde), diz ainda o normativo

Recorde-se que os ministérios da Defesa Nacional e da Saúde têm vindo a reforçar e a aprofundar a colaboração estratégica, nomeadamente tendo em vista o incremento de sinergias entre o Laboratório Militar e as entidades com competência na área do medicamento e do sangue, e, mais recentemente, também no âmbito do Sistema Integrado de Gestão de Inscritos em Cirurgia (SIGIC), integrado no Sistema Integrado de Gestão do Acesso ao SNS.

18tm43J
24 de Outubro de 2018
1843Pub4f18tm43J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Infarmed aprova utilização de canábis para sete indicações terapêuticas

São sete as indicações terapêuticas para a utilização de medicamentos à base de canábis medicinal au...

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Contratação simplificada: Técnicos de diagnóstico e terapêutica também fica...

Não são só os médicos que se sentem discriminados por não serem contemplados no processo de contrata...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

20.03.2019

 APMGF teme que consultas por telemóvel aumentem as desigualdades

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) critica a nova ferramenta...

20.03.2019

OM quer reunião urgente com ministra após «nível de desprezo» inédito

A Ordem dos Médicos (OM) pediu esta terça-feira uma reunião com caráter de urgência à ministra da Sa...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.