Dívida do Estado às farmacêuticas atinge o valor máximo deste ano

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 30.10.2018

Apifarma espera resolução de «problema crónico em Portugal» 
A dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à Indústria Farmacêutica voltou a crescer e atingiu o valor máximo deste ano.
De acordo com o mais recente relatório da Apifarma, em agosto, esta situou-se nos 949,3 milhões de euros, mais 30,2 milhões do que no mês anterior (mais 3,3%). A dívida vencida também aumentou 3,3%, atingindo os 666,8, mais 21,3 milhões de euros do que em julho.

Estes são dados conhecidos no dia do Congresso da Associação Nacional da Indústria Farmacêutica, que decorre esta terça-feira no Centro de Congressos de Lisboa (FIL à Junqueira), com o tema «Compromisso com as Pessoas. Mais e Melhor Vida».

À TSF, o presidente da Apifarma, João Almeida Lopes, salientou que as dívidas aos laboratórios são «um problema crónico em Portugal» relacionado com o subfinanciamento da saúde pelo Estado, esperando que o Governo avance até ao final de 2018, como tem sido comum noutras alturas, com uma redução deste valor.

A dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à Indústria Farmacêutica voltou a crescer e atingiu o valor máximo deste ano. De acordo com o mais recente relatório da Apifarma, em agosto, esta situou-se nos 949,3 milhões de euros, mais 30,2 milhões do que no mês anterior (mais 3,3%)

O presidente da Apifarma diz que «os gastos do orçamento público da saúde em Portugal continuam abaixo da média de outros países desenvolvidos».

Aliás, segundo o responsável, para o próximo Orçamento do Estado de 2019 o total das rubricas da saúde até perdeu peso quando comparado com 2018, algo que é «contrário ao que acontece noutros países da OCDE, onde as despesas aumentam fruto do envelhecimento da população e dos medicamentos inovadores».

O relatório da Apifarma está disponível aqui

18tm44E
30 de Outubro de 2018
1844Pub3f18tm44E

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.