Elevados níveis de ácido úrico podem ser fator de risco para doença bipolar

por Teresa Mendes | foto de "DR" www.weincluded.com | 05.11.2018

Investigação portuguesa publicada na Bipolar Disordes 
Doentes deprimidos com elevados níveis de ácido úrico no sangue poderão estar em vias de desenvolver doença bipolar, conclui um estudo de vários médicos psiquiatras do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

A investigação, publicada recentemente na revista científica internacional Bipolar Disorders, revelou que «os doentes internados por depressão com níveis altos de ácido úrico no sangue apresentam maior risco de progressão para a doença bipolar», refere um comunicado do CHUC, divulgado esta sexta-feira.

O estudo, intitulado «Serum uric acid as a predictor of bipolarity in individuals with a major depressive episode», incluiu a recolha de dados de 250 doentes internados com depressão, entre junho de 2007 e junho de 2010, concluindo que os que evoluíram para uma situação de doença bipolar tinham níveis de ácido úrico no sangue muito superiores aos dos que não evoluíram.

Doentes deprimidos com elevados níveis de ácido úrico no sangue poderão estar em vias de desenvolver doença bipolar, conclui um estudo de vários médicos psiquiatras do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra 

Pedro Oliveira, um dos autores citado na nota, salienta que «este achado inovador, apesar de necessitar de maior investigação, poderá revolucionar a abordagem e tratamento dos doentes deprimidos».

Segundo o especialista, esta descoberta permite «uma melhor resposta ao tratamento, a identificação de formas iniciais de doença bipolar e intervenção numa fase mais precoce para minimizar o impacto da doença na vida do doente».

Os autores do estudo, todos eles médicos psiquiatras do CHUC e investigadores no Instituto de Psicologia Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, salientam que «não existia até agora nenhum exame acessível no dia-a-dia capaz de identificar indivíduos em risco de desenvolver doença bipolar».

A doença bipolar é caracterizada por episódios persistentes de tristeza, semelhantes ao que se verificam na depressão, mas também por fases de euforia e energia aumentada, «os chamados episódios maníacos».

«Esta doença é, na maioria dos casos, tratável com recurso a antidepressivos.
No entanto, em certas formas de depressão, como em indivíduos com doença bipolar, o tratamento com antidepressivos é pouco eficaz e poderá agravar o prognóstico da doença», refere o comunicado.

18tm45B
05 de Novembro de 2018
1845Pub2f18tm45B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.