Médicos do CHLN prejudicados em seis horas extra por semana

por Teresa Mendes | 06.11.2018

Denúncia do Sindicato dos Médicos da Zona Sul

 
Há mais de um ano que alguns médicos especialistas do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN) além das 40 horas semanais, trabalham seis horas extra por semana no Serviço de Urgência (SU) sem que estas lhes sejam pagas como tal, denuncia o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS).

De acordo com SMZS, esta situação foi proposta pelos respetivos serviços «tendo em conta o grave deficit de médicos perante enfermarias sobrelotadas e aumento de tempos de espera para consultas, cirurgias programadas e realização de exames».

A intenção seria que os médicos dedicassem as seis horas alocadas ao SU às atividades assistenciais, indo de encontro ao que é a reivindicação sindical, a passagem das 18 horas em Serviço de Urgência para 12 horas.
Mas, «passado mais de um ano, os médicos continuam a realizar as seis horas em SU, além do aumento do trabalho assistencial, fazendo com que na prática trabalhem 46 horas semanais sem que as horas extraordinárias sejam remuneradas como tal», salienta o comunicado.

Há mais de um ano que alguns médicos especialistas do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHLN), além das 40 horas semanais, trabalham seis horas extra por semana no Serviço de Urgência sem que estas lhes sejam pagas como tal, denuncia o SMZS 

O SMZS informa igualmente que as reuniões tidas para tentar resolver a situação não têm surtido efeito, alegando os Recursos Humanos do CHLN que estes médicos «se cingem ao cumprimento de horário». 

Considerando que «os médicos foram ludibriados, naquilo que constitui uma atitude de má-fé do conselho de administração (CA) do CHLN», o sindicato revela ainda que irá pedir uma auditoria aos Recursos Humanos daquele centro hospitalar.

18tm45A
05 de Novembro de 2018
1845Pub2f18tm45A

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.