Proposta de Lei de Bases da Saúde vai ser «aperfeiçoada»

por Teresa Mendes | 07.11.2018

Marta Temido diz que precisa de ter «respostas muito claras»
A ministra da Saúde reconheceu esta terça-feira no Parlamento que a proposta de Lei de Bases da Saúde entregue ao Governo ainda pode ser «aperfeiçoada», remetendo para depois da aprovação do Orçamento do Estado (OE) a sua análise em Conselho de Ministros (CM).

A aprovação da Lei de Bases chegou a estar prevista para o final de setembro, mas Marta Temido explicou que esta nem chegou ao CM porque recebeu propostas da reunião de secretários de Estado, que é uma etapa que antecede a reunião de CM.

«Recebemos e analisámos com todo o cuidado os trabalhos da comissão que foi nomeada para proceder à revisão da Lei de Bases da Saúde», liderada por Maria de Belém Roseira, que «pretendemos que sirva os portugueses e o Serviço Nacional de Saúde para as próximas décadas», afirmou a ministra aos jornalistas, no final da discussão na especialidade da proposta de OE para 2019 na área da Saúde.

Por esta razão, o documento terá de ter «por parte dos titulares da pasta da Saúde uma análise muito cuidada», para que seja prestado «um bom serviço», sublinhou a governante.

Marta Temido destacou igualmente a importância de «todos os contributos que foram dados», bem como o «trabalho rigorosíssimo da comissão designada, e que tem contributos extraordinários», nomeadamente em termos da visão que tem para os direitos dos doentes, para as questões da informação da saúde e para a informatização.

A ministra da Saúde reconheceu esta terça-feira no Parlamento que a proposta de Lei de Bases da Saúde entregue ao Governo ainda pode ser «aperfeiçoada», remetendo para depois da aprovação do Orçamento do Estado a sua análise em Conselho de Ministros

«Vem alertar-nos para todo um conjunto de aspetos que são muitos importantes para perspetivar a Lei de Bases do futuro», mas há outros temas que também deverão ser equacionados», considerou Marta Temido, observando que é nesse aspeto que estão a trabalhar.

Na opinião da ministra, a versão final do documento deve representar «as várias sensibilidades», mas tem de ter «respostas muito claras» em alguns aspetos, como combinação público-privada, direitos dos doentes e profissionais de saúde.

Nesse sentido, o que está «em cima da mesa ainda pode ser aperfeiçoado», reconheceu.

18tm45J
07 de Novembro de 2018
1845Pub4f18tm45J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 19.11.2018

Tonic App conquista lugar cimeiro na Medica 2018

A startup portuguesa Tonic App, que desenvolveu a aplicação com o mesmo nome, ficou em segundo lugar...

por Teresa Mendes | 19.11.2018

Publicado regulamento da prova piloto de acesso ao Internato Médico

A Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) publicou no seu site o regulamento da prova pilot...

por Teresa Mendes | 19.11.2018

Portugal debate Value-Based Health Care

No próximo dia 29 de novembro vai decorrer o Portugal Value Meeting for Health and Care 2018, na Rei...

por Ernestina Reis | 16.11.2018

Uso inadequado e resistência a antimicrobianos

Opinião de Ernestina Reis<br /> <br /> Os antimicrobianos são medicamentos que têm como finalidade...

por Teresa Mendes | 16.11.2018

Municípios vão passar a gerir equipamentos das instalações dos centros de s...

O Conselho de Ministros (CM) aprovou esta quinta-feira a transferência para os municípios das compet...

por Teresa Mendes | 16.11.2018

Coimbra acolhe 2.º Seminário da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Saúde...

A Sociedade Portuguesa para o Estudo da Saúde Mental (SPESM) organiza, em Coimbra, o 2.º Seminário d...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.