SPMS aconselha ARS a substituírem redes locais dos CSP

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 09.11.2018

«Constrangimentos informáticos devem-se às redes locais antigas»
A SPMS reconhece que «nos últimos dias ocorreram alguns problemas nos sistemas de informação centrais do Ministério da Saúde que provocaram, em alguns momentos, instabilidade na utilização dos mesmos, condicionando o trabalho dos profissionais sobretudo nos CSP».

A culpa, segundo a entidade, é do «crescimento exponencial» dos exames sem papel, mas também das ARS, que não atualizam as redes locais.

Num esclarecimento publicado na sua página oficial, a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde confirma as queixas de médicos, sindicatos e Ordem dos Médicos, admitindo que «estes constrangimentos registaram-se, sobretudo, na prescrição de Meios Complementares de Diagnóstico e Terapêutica, resultante do crescimento exponencial do projeto dos Exames Sem Papel».

Segundo a SPMS, «diariamente são prescritos mais de 91 703 Exames», números que «exigem alterações e melhorias constantes nos sistemas de informação para garantir o crescimento sustentável deste projeto», garantindo que «o acompanhamento no terreno tem sido constante por parte das equipas técnicas, procurando as melhores soluções de modo a reduzir o impacto nas unidades de Cuidados Saúde Primários (CSP)».

Segundo a SPMS, a culpa dos constrangimentos informáticos resulta do «crescimento exponencial» dos exames sem papel, mas também das ARS, que não atualizam as redes locais, muitas com mais de 15 anos

Aquele organismo sublinha ainda que os constrangimentos também se devem em grande parte às muitas redes locais que estão antigas, alertando as Administrações Regionais de Saúde (ARS) para o efeito.

«As redes locais com mais de 15 anos têm sido identificadas como as causas principais em muitos casos de reportes, falha de resposta e velocidade, em vários softwares, que em alguns casos sofrem com a existência de muitos postos trabalho ainda com versões Windows XP e Windows 7, sendo conveniente o upgrade das mesmas nas substituições dos CSP pelas Administrações Regionais de Saúde (ARS)», lê-se no esclarecimento.

O comunicado conclui dizendo que a SPMS «está a trabalhar na evolução, consolidação e melhoria dos sistemas e vai continuar empenhada em antecipar-se aos problemas e procurar as melhores soluções, garantindo uma estabilização progressiva dos sistemas e, simultaneamente, alcançar uma curva descendente no registo de problemas».

18tm45S
09 de Novembro de 2018
1845Pub6f18tm45S

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Assistimos hoje ao assassinato premeditado do modelo USF»

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) decidiu abandonar as reuniões da Comissão Técnica Naciona...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 «Premium Cataract Surgery 2020» debate técnicas cirúrgicas inovadoras

A Universidade do Minho organiza, no próximo dia 18 de janeiro de 2020, a conferência «Premium Catar...

13.12.2019

 Tecnologia criada no Porto ajuda médicos a identificar nódulos pulmonares

Investigadores do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TE...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

 Marta Temido anuncia reforço de 800 milhões de euros para a Saúde em 2020

Foram várias as entidades que se congratularam publicamente pelo reforço de verbas para o Serviço Na...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

55% dos doentes com doença crónica tem baixos níveis de literacia em saúde

«55% da população com doença crónica tem níveis inadequados de literacia em saúde», uma situação que...

por Teresa Mendes | 13.12.2019

Lançado Instituto Virtual de Fibromialgia

Foi lançado o Instituto Virtual de Fibromialgia, MyFibromyalgia®, uma ferramenta de intervenção clín...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.