Primeiros dados de pembrolizumab no carcinoma da bexiga não-músculo invasivo são «encorajadores»

12.11.2018

Resultados do ensaio KEYNOTE-057 apresentados no ESMO Congress 2018
A análise interina do ensaio KEYNOTE-057, de fase 2, que avalia Keytruda® (pembrolizumab) no tratamento de doentes com carcinoma da bexiga não-músculo invasivo de alto risco previamente tratados, com carcinoma in situ (CIS) ou carcinoma in situ e doença papilar (coorte A), demonstrou resultados «encorajadores».

Num comunicado, a MSD anuncia que a análise interina deste ensaio revelou «uma taxa de resposta completa de 38,8% (95% CI, 29,4-48,9) (n=103) em três meses de tratamento com pembrolizumab em doentes cuja doença não respondia a Bacillus Calmette-Guérin (BCG) - a terapêutica padrão atual para esta doença – e que eram inelegíveis ou que se recusaram a ser submetidos a uma cistectomia radical». 

Estes e outros resultados do ensaio foram partilhados numa apresentação oral no ESMO Congress 2018 (Abstract #8640), que decorreu recentemente em Munique, Alemanha.

A análise intermédia do ensaio KEYNOTE-057, de fase 2, que avalia pembrolizumab no tratamento de doentes com carcinoma da bexiga não-músculo invasivo de alto risco previamente tratados, com carcinoma in situ ou carcinoma in situ e doença papilar, demonstrou resultados «encorajadores»

«As opções de tratamento para o carcinoma da bexiga não-músculo invasivo de alto risco têm sido historicamente limitadas, com muitos doentes a confiar na cirurgia como a sua única opção após recorrência da doença.
Além disso, cerca de 40% dos doentes com carcinoma da bexiga não-músculo invasivo de alto risco evoluem para doença músculo invasiva», afirmou o professor Ronald de Wit, MD, PhD, líder do grupo de terapêutica sistémica experimental nos tumores génito-urinários do Erasmus MC Cancer Institute, em Roterdão.

«Os dados do KEYNOTE-057 são encorajadores para doentes com este tipo de carcinoma urotelial difícil de tratar e que não são elegíveis para cirurgia», reforçou o responsável.

«Os quase 40% de taxa de resposta completa com pembrolizumab em doentes com carcinoma da bexiga não-músculo invasivo de alto risco são encorajadores e vêm reforçar o crescente conjunto de dados que demonstram a atividade de pembrolizumab como monoterapia em diferentes tipos de tumor», disse Scot Ebbinghaus, vice-presidente da investigação clínica da MSD Research Laboratories. 

«Existem poucas opções para o tratamento deste carcinoma invasivo recorrente e estamos ansiosos para continuar a estudar o pembrolizumab no tratamento desses doentes cuja doença tenha recidivado e cujas opções terapêuticas são limitadas», sublinhou o dirigente.  

18tm46A
12 de Novembro de 2018
1846Pub2f18tm46a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.