SIM quer discutir exclusividade no SNS com a atual equipa do MS

por Teresa Mendes | 12.11.2018

Sindicato considera que medida beneficia os doentes
O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) quer discutir a reposição do regime de trabalho em dedicação exclusiva e tempo prolongado no Serviço Nacional de Saúde (SNS) com a nova equipa do Ministério da Saúde (MS).

Na opinião do sindicato, a exclusividade dos médicos irá «beneficiar os doentes na acessibilidade a mais rápidos e melhores cuidados de saúde».

Um comunicado do Conselho Nacional do SIM, que se reuniu na passada sexta-feira, recomenda ao seu secretariado nacional trazer esse assunto para cima da mesa nas negociação com a Tutela, adiantando que defende a exclusividade no SNS, embora com «caráter opcional, voluntário e reversível, com a devida compensação em termos remuneratórios e outros, e que permita a fixação e dedicação plena dos médicos às suas instituições».

Recorde-se que a atual ministra da Saúde, Marta Temido, defendeu no final de setembro, numa conferência promovida pelo Conselho Económico e Social sobre os 40 anos do SNS, que «é urgente não só proceder à caracterização exata do fenómeno do pluriemprego nos trabalhadores do SNS, dando prioridade ao respetivo estudo e envolvendo os agentes do setor, mas também regular melhor esta opção, com reserva do regime de dedicação exclusiva para alguns casos».

O Sindicato Independente dos Médicos quer discutir a reposição do regime de trabalho em dedicação exclusiva e tempo prolongado no Serviço Nacional de Saúde com a nova equipa do Ministério da Saúde 

Na mesma apresentação que fez, ainda enquanto subdiretora do Instituto de Higiene e Medicina Tropical, manifestou a urgência de se «assumir abertamente» esse problema do pluriemprego na saúde, «especialmente dos médicos» que conjugam funções no público e no privado.

E entre os médicos, deu o exemplo dos diretores de serviço e de departamento.
Na opinião da dirigente, seria preciso, para o efeito, clarificar os pagamentos compensatórios, tendo em conta que atualmente o enquadramento «não é claro para o pagamento de qualquer suplemento para esta responsabilidade extra».

Apenas um quarto dos médicos especialistas está no Serviço Nacional de Saúde (SNS) em dedicação exclusiva.

18tm46C
12 de Novembro de 2018
1846Pub2f18tm46C

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 27.03.2020

 Ordens da saúde pedem ao primeiro-ministro reforço da proteção dos profiss...

As ordens dos Médicos, dos Farmacêuticos e dos Enfermeiros enviaram esta quarta-feira uma carta aber...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Conselho de Escolas Médicas Portuguesas defende realização maciça de testes

O Conselho de Escolas Médicas Portuguesas (CEMP) defende o uso generalizado de máscaras pela comunid...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

ARSLVT abre 35 áreas dedicadas à Covid-19 nos cuidados saúde primários

Atendendo ao alargamento progressivo da expressão geográfica da pandemia Covid-19 em Portugal, e ten...

por Teresa Mendes | 27.03.2020

Apifarma cria linha de apoio financeiro para profissionais de saúde

A Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica (Apifarma), em articulação com a Ordem dos Médicos...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 Internos de MGF pedem «suspensão de todos os estágios e formações hospital...

Os internos de Medicina Geral e Familiar (MGF) pedem, em comunicado conjunto das associações e comis...

por Teresa Mendes | 26.03.2020

 «Há outras vidas a salvar», alerta Carlos Cortes

Devido ao foco na pandemia por Covid-19, os doentes oncológicos «estão a ficar para trás» e a ativid...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.