APP defende criação de consultas de Podologia para evitar amputações

por Teresa Mendes | 14.11.2018

Dia Mundial da Diabetes é hoje assinalado 
A Associação Portuguesa de Podologia (APP) acusa o Ministério da Saúde de «subvalorizar a criação de uma consulta multidisciplinar com integração da Podologia nos Cuidados de Saúde Primários (CSP».
Na opinião da Associação esta seria uma forma de evitar as amputações do pé diabético.

O alerta é deixado no dia em que se assinala o Dia Mundial da Diabetes, lembrando a APP que a taxa média de amputação do pé diabético em Portugal é de 5,4 por 100 mil habitantes e que a zona Norte do país tem uma taxa inferior (de 3,4 /100 mil habitantes), devido ao investimento feito nesta área.

Dados do Observatório Nacional da Diabetes concluem ainda que uma amputação custa ao estado português 25 mil euros por doente, valor que ascende aos 25 milhões por ano.

Num comunicado divulgado à comunicação social, o presidente da APP, Manuel Azevedo Portela, defende que «a presença do podologista na consulta do pé diabético, especializada na avaliação, orientação e prevenção de patologias do pé, assim como o seu tratamento, permite reduzir inequivocamente esta catástrofe».

Despesas diretas com a cirurgia, reabilitação do pé e do doente, abstinência laboral e os transportes são os fatores que mais pesam no orçamento da Saúde e da Segurança Social com as amputações dos doentes diabéticos.

A Associação Portuguesa de Podologia (APP) acusa o Ministério da Saúde de «subvalorizar a criação de uma consulta multidisciplinar com integração da Podologia nos Cuidados de Saúde Primários». Na opinião da Associação esta seria uma forma de evitar as amputações do pé diabético 

Neste sentido, o especialista considera que «replicar os modelos de boas práticas que têm comprovado a excelência na prevenção de amputações do pé diabético deve ser uma prioridade nas unidades de cuidados primários».

A previsão para o ano de 2025 é de mais de 450 milhões de portadores de diabetes.
Destes, pelo menos 25% vão ter algum tipo de comprometimento significativo nos seus pés. Atualmente, estima-se que, a nível mundial, ocorram duas amputações por minuto à custa do pé diabético, sendo que 85% destas são precedidas por úlceras.

Estima-se que 15% dos doentes diabéticos desenvolvem uma úlcera nos membros inferiores durante os anos de doença e que 85% das amputações têm um historial de úlceras diabéticas.

18tm46J
14 de Novembro de 2018
1846Pub3f18tm46J

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

 SIM acusa Governo de não resolver a «situação crítica» no INML

No dia da abertura do ano judicial o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) deixou um apelou ao Go...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.