Coordenador da Reforma dos Cuidados Continuados cessa funções

por Zózimo Zorrinho | 15.11.2018

Manuel Lopes lamenta a não aprovação do estatuto do cuidador informal
 A um mês de terminar o mandato no cargo (a 15 de dezembro), Manuel Lopes, coordenador nacional para a reforma do SNS na área dos Cuidados Continuados Integrados e da estratégia SNS + Proximidade, cessou as suas funções. Sem adiantar se foi demitido ou se sai por vontade própria, o responsável remete mais explicações para o Ministério da Saúde.

«Não me compete dar explicações», disse ao jornal Público.
De saída, Manuel Lopes diz estar «muito orgulhoso do trabalho feito», mas lamenta que ainda não sido concretizado o estatuto do cuidador informal, que, na sua opinião, é «uma questão central».

Agora demissionário, lembra que a Coordenação Nacional que dirigiu entregou atempadamente aos responsáveis políticos o plano de desenvolvimento do estatuto do cuidador informal.

A um mês de terminar sua nomeação para o cargo (a 15 de dezembro), Manuel Lopes, coordenador nacional para a reforma do SNS na área dos Cuidados Continuados Integrados e da estratégia SNS + Proximidade, cessou as suas funções. Sem adiantar se foi afastado ou se sai por vontade própria, o responsável remete mais explicações para o Ministério da Saúde

Entretanto, o Ministério da Saúde confirmou esta quarta-feira a saída do dirigente, mas também sem esclarecer quais as circunstâncias que motivaram a cessação de funções.

«O coordenador nacional para a reforma do SNS na área dos cuidados continuados integrados e da estratégia SNS + Proximidade, Manuel Lopes, comunicou a cessação de funções ao Ministério da Saúde, que agradece todo o trabalho meritório realizado ao longo do mandato», escreve o Ministério da Saúde numa resposta enviada à agência Lusa.

A Tutela apenas acrescenta que o mandato da coordenação tinha o seu término previsto para 15 de dezembro e que está «a diligenciar no sentido da sua substituição a breve prazo, de forma a garantir a continuidade da atividade».

Recorde-se que no final de setembro, o primeiro ministro admitiu que o estatuto do cuidador informal não poderia avançar porque implicaria um grande esforço orçamental.

Segundo António Costa, o plano custaria 120 milhões de euros no próximo ano mas, quando atingisse «a velocidade de cruzeiro» a fatura ascenderia a 800 milhões de euros anuais.

18tm46N
15 de Novembro de 2018
1846Pub4f18tm46N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.