Coordenador da Reforma dos Cuidados Continuados cessa funções

por Zózimo Zorrinho | 15.11.2018

Manuel Lopes lamenta a não aprovação do estatuto do cuidador informal
 A um mês de terminar o mandato no cargo (a 15 de dezembro), Manuel Lopes, coordenador nacional para a reforma do SNS na área dos Cuidados Continuados Integrados e da estratégia SNS + Proximidade, cessou as suas funções. Sem adiantar se foi demitido ou se sai por vontade própria, o responsável remete mais explicações para o Ministério da Saúde.

«Não me compete dar explicações», disse ao jornal Público.
De saída, Manuel Lopes diz estar «muito orgulhoso do trabalho feito», mas lamenta que ainda não sido concretizado o estatuto do cuidador informal, que, na sua opinião, é «uma questão central».

Agora demissionário, lembra que a Coordenação Nacional que dirigiu entregou atempadamente aos responsáveis políticos o plano de desenvolvimento do estatuto do cuidador informal.

A um mês de terminar sua nomeação para o cargo (a 15 de dezembro), Manuel Lopes, coordenador nacional para a reforma do SNS na área dos Cuidados Continuados Integrados e da estratégia SNS + Proximidade, cessou as suas funções. Sem adiantar se foi afastado ou se sai por vontade própria, o responsável remete mais explicações para o Ministério da Saúde

Entretanto, o Ministério da Saúde confirmou esta quarta-feira a saída do dirigente, mas também sem esclarecer quais as circunstâncias que motivaram a cessação de funções.

«O coordenador nacional para a reforma do SNS na área dos cuidados continuados integrados e da estratégia SNS + Proximidade, Manuel Lopes, comunicou a cessação de funções ao Ministério da Saúde, que agradece todo o trabalho meritório realizado ao longo do mandato», escreve o Ministério da Saúde numa resposta enviada à agência Lusa.

A Tutela apenas acrescenta que o mandato da coordenação tinha o seu término previsto para 15 de dezembro e que está «a diligenciar no sentido da sua substituição a breve prazo, de forma a garantir a continuidade da atividade».

Recorde-se que no final de setembro, o primeiro ministro admitiu que o estatuto do cuidador informal não poderia avançar porque implicaria um grande esforço orçamental.

Segundo António Costa, o plano custaria 120 milhões de euros no próximo ano mas, quando atingisse «a velocidade de cruzeiro» a fatura ascenderia a 800 milhões de euros anuais.

18tm46N
15 de Novembro de 2018
1846Pub4f18tm46N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.