APAH defende «via verde» para a Oncologia

16.11.2018

Fórum do Medicamento decorre esta sexta-feira em Lisboa
O presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH) defende a criação de vias verdes na Oncologia.
Para Alexandre Lourenço esta é uma forma de reduzir o tempo ainda «demasiado grande» entre o diagnóstico de cancro e o início do tratamento.
Este é um dos temas em debate no Fórum do Medicamento, que decorre esta sexta-feira em Lisboa.

Antecipando o encontro, em entrevista à Lusa, Alexandre Lourenço explicou que um dos casos concretos em discussão será a criação de uma via verde para o cancro do pulmão, uma patologia em que é «completamente crucial» iniciar o tratamento o mais cedo possível.

«Na prática, trata-se de encontrar mecanismos no sistema de saúde e formas de referenciação imediata dos doentes quando existe alguma sintomatologia, encaminhando para o hospital o doente no mais curto espaço de tempo», explicou.

Na opinião de Alexandre Lourenço, ainda é «demasiado alargado» o tempo de espera entre o médico de família e a consulta de especialidade hospitalar, mesmo nos casos oncológicos, porque há dificuldade em aceder a consultas de especialidade.

Os administradores hospitalares reconhecem que no caso da Oncologia o acesso a consultas é menos dificultado do que noutras especialidades, mas os tempos de espera «continuam a ser exagerados».

O presidente da associação dos administradores hospitalares defende, por isso, que é necessário fazer a medição do tempo que separa o diagnóstico do início do tratamento: «Nem sequer conseguimos medir esse tempo.

O presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares defende a criação de vias verdes na Oncologia. Para Alexandre Lourenço esta é uma forma de reduzir o tempo ainda «demasiado grande» entre o diagnóstico de cancro e o início do tratamento

Fazemos uma suposição desses tempos por sabermos o tempo [de espera] para consultas de especialidade e para tratamento», disse à Lusa.

No Fórum do Medicamento será também debatida a questão da equidade no acesso aos tratamentos oncológicos, uma área que continua a ter, segundo Alexandre Lourenço, uma «enorme variabilidade».

«Continuamos com problemas quer no acesso à Radioterapia, ao medicamento ou a consultas de especialidade, com grandes variações», afirmou o responsável.

18tm46T
16 de Novembro de 2018
1846Pub6f18tm46T

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Número de pessoas que morre sem cuidados paliativos pode duplicar em 2060

 O número de pessoas que morre sem acesso a cuidados paliativos pode duplicar em 2060.<br /> Segund...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Unidades de saúde mental forense não prisionais vão ter equipa clínica mult...

As unidades de saúde mental forense não prisionais vão passar a ter formalmente uma equipa clínica m...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Ordem cria Gabinete Nacional de Apoio ao Médico

Os médicos em burnout podem recorrer, a partir de hoje, dia 24 de maio, a um gabinete de apoio criad...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

Palco será dado a quem vive a realidade da dor crónica de perto

O próximo dia 31 de maio será um dia de reflexão, onde o palco será dado a quem vive a realidade da...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

O  ciclo de vida do medicamento explicado aos jovens

O Infarmed produziu um vídeo dirigido aos jovens, onde explica as etapas do ciclo de vida do medicam...

por Teresa Mendes | 24.05.2019

 Governo vai impulsionar criação de USF em contextos complexos 

O Governo está determinado a apoiar e impulsionar a criação de Unidades de Saúde Familiar (USF) em c...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.