Uso inadequado e resistência a antimicrobianos

por Ernestina Reis | 16.11.2018

Dia Europeu dos Antibióticos assinala-se a 18 de novembro
 
Opinião de Ernestina Reis

Os antimicrobianos são medicamentos que têm como finalidade tratar ou prevenir infeções causadas por microrganismos, eliminando-os ou impedindo que estes se multipliquem.

Uma das grandes questões que a classe médica tem vindo a debater ao longo dos anos é o uso excessivo de antimicrobianos e a falta de consciencialização da população para os seus efeitos na saúde.

Quanto mais elevado for o seu consumo, maior é a probabilidade de os microrganismos desenvolverem mecanismos de resistência ao fármaco que, inicialmente, os combatia.

O crescente aumento de bactérias multirresistentes é uma realidade que requer uma ação conjunta dos profissionais de saúde, instituições governamentais e sociedade.

A Organização Mundial de Saúde estima que já ocorram, a nível global, cerca de 700 mil mortes causadas por bactérias multirresistentes, um número que a mesma entidade prevê que aumente para os 10 milhões até 2050.

O primeiro passo a tomar é a consciencialização: é importante desmistificar, junto da população, que os antibióticos apenas tratam, e por vezes previnem, infeções bacterianas.

Jamais deverão ser administrados em casos de infeções causadas por vírus, como gripes ou constipações. A acrescentar a isto, convém destacar que este tipo de medicamentos só deve ser usado quando for prescrito por um médico.

Contudo, a consciencialização deve ser igualmente feita junto dos profissionais de saúde, uma vez que também se verifica um consumo excessivo a nível dos serviços de saúde, associando a elevada prescrição a uma duração prolongada da terapêutica antimicrobiana.

O Programa de Apoio à Prescrição Antimicrobiana (PAPA) visa orientar, uniformizar, verificar e validar a antibioterapia, tendo como meta final preservar a sua eficácia e o melhor tratamento do doente. 

Para uma antibioterapia** correta, o médico deve refletir, num primeiro momento, sobre qual a origem da infeção, qual o foco mais provável e quais os fatores modificadores ou de risco para as resistências.

O tratamento da infeção grave exige um equilíbrio entre o benefício de uma antibioterapia empírica agressiva, que implica o recurso a antibioterapia de largo espectro, e o desenvolvimento de microrganismos resistentes.

É obrigatória, entre 48 a 72 horas após o início da terapêutica, uma análise da resposta clínica e dos resultados dos estudos microbiológicos, devendo ser revista a estratégia inicial.

Há, inclusive, situações que implicam o ajuste da dose, como os casos de insuficiência renal, insuficiência hepática e obesidade mórbida. A sua evolução deve ser vigiada e a dose reajustada, para prevenir o subtratamento ou toxicidade.

São normas básicas da antibioterapia, como as referidas, que travam o desenvolvimento de microrganismos resistentes.
 
Os problemas relacionados com a prevenção e controlo da infeção estão intrinsecamente relacionados com o consumo de antimicriobianos e a emergência e propagação de resistências.

É fundamental a implementação de boas práticas de prevenção e controlo da infeção, como a higienização das mãos, o rastreio e isolamento de doentes portadores / infetados por microrganismos multirresistentes.

O PAPA e a prevenção e controlo da infeção têm que manter um trabalho de simbiose para frenar o panorama sombrio da resistência antimicrobiana.
  
De forma a prevenir os erros na prescrição antimicrobiana, que permanecem ainda como um fator crucial na seleção e aumento das resistências de microrganismos, é indiscutível a necessidade de apostar na constante atualização de conhecimentos e práticas dos profissionais de saúde em Portugal, um trabalho no qual a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna tem investido, juntamente com os seus núcleos.

*Internista e Membro da SPMI

**NR: Respeitamos neste artigo a terminologia usada pela autora, mesmo se nas nas opções de «livro de estilo»  do «TM» usemos antes, nesta asserção, a palavra/conceito «antibioticoterapia» (também em homenagem à proposta antiga e de sempre do saudoso pediatra e infecciologista Pita Groz Dias que argumentava que «antibioterapia» seria uma «terapia contra a vida» e não uma terapia com antibióticos)

1846Pub6f18jma46A

 ----------------
Sobre a SPMI


A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) é uma associação científica, fundada em 1951. Tem como finalidade promover o desenvolvimento da Medicina Interna ao serviço da saúde da população portuguesa. Promove ainda a investigação e o estudo de problemas científicos, bem como a organização de atividades educacionais, no âmbito da formação contínua, dirigidas aos médicos e à população em geral, no campo da Medicina Interna.

Para mais informações consulte https://www.spmi.pt/

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.