Infarmed junta-se à campanha europeia que alerta para a notificação de RAM

por Teresa Mendes | 20.11.2018

Aumenta o número de notificações em Portugal
Está a decorrer, pelo terceiro ano consecutivo, a campanha internacional «Adverse Drug Reactions (ADR) Awareness Week», uma iniciativa dos Heads of Medicines Agencies, por via do seu Working Group of Communications Professionals, que consiste numa semana de visibilidade sobre o tema da notificação de reações adversas a medicamentos (RAM).

O Infarmed associou-se à iniciativa (que decorre de 19 a 23 de novembro) também pelo terceiro ano, aproveitando a oportunidade para reforçar as mensagens relacionadas com a farmacovigilância junto do público e dos profissionais de saúde, contribuindo assim para o objetivo partilhado pelas agências europeias do medicamento: «aumentar a quantidade e qualidade de notificações de reações adversas a medicamentes (RAM) e sensibilizar para a importância da notificação», salienta um comunicado da Autoridade Nacional do Medicamento.

Na campanha deste ano estão a ser utilizadas algumas das animações dos anos anteriores, mas também três novas animações focadas nas eventuais reações adversas associadas à toma de medicamentos por crianças, mulheres grávidas, a planear engravidar ou a amamentar.
 
O evento conta com a participação de 32 países (24 países europeus, Austrália, México, Nova Zelândia, Colômbia, Equador, El Salvador, Iraque e Jordânia), bem como colaboração na divulgação por parte da Comissão Europeia, EMA e EURORDIS.

Está a decorrer, pelo terceiro ano consecutivo, a campanha internacional «Adverse Drug Reactions (ADR) Awareness Week», que consiste numa semana de visibilidade sobre o tema da notificação de reações adversas a medicamentos (RAM) 

As animações podem ser vistas nas páginas do Infarmed nas redes sociais LinkedIn, Twitter e Facebook ao longo desta semana, ficando disponíveis simultaneamente na página das Campanhas no site do Infarmed 

Aumentam notificações em Portugal

Esta campanha surge numa altura em que o organismo se congratula com o aumento do número de notificações das reações adversas em Portugal, tendo registado 5385 nos primeiros seis meses deste ano.

O anúncio foi feito pela diretora de Farmacovigilância do Infarmed.

«Esperamos chegar às dez mil. No ano passado tivemos seis mil, por isso estamos satisfeitos com as campanhas e com a produtividade do novo portal» para notificação das reações adversas em 2017, afirmou Fátima Canedo aos jornalistas, à margem das IV Jornadas do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e Resistência aos Antimicrobianos, que decorreram esta segunda-feira em Lisboa.

Segundo a responsável, cerca de 10% das notificações adversas dizem respeito ao grupo pediátrico e cerca de 30% a pessoas com mais de 65 anos.
Já o grupo entre os 18 e 64 anos representa 60% das notificações.

«A incidência parece ser maior nos idosos, que são doentes polimedicados, já tem outras doenças e por isso mais suscetíveis a efeitos indesejados», explicou.

Os casos mais graves de reações adversas estão relacionados com as próprias patologias do doente e com a forma de atuação dos fármacos.  

18tm47F
20 de Novembro de 2018
1847Pub3f18tm47E

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.