Enfermeiros mantêm greve

21.11.2018

Proposta do Ministério da Saúde é «inaceitável» 
Os enfermeiros mantêm a greve, que começa esta quinta-feira nos blocos operatórios de cinco hospitais, por falta de acordo com o Ministério da Saúde.

Segundo os sindicatos que convocaram a paralisação, na reunião, que decorreu esta terça-feira, a Tutela propôs a revisão da carreira sem incluir a categoria de enfermeiro especialista, uma proposta que consideram «inaceitável».

A informação foi prestada à Lusa pelos presidentes da Associação Sindical Portuguesa de Enfermeiros (ASPE), Lúcia Leite, e do Sindicato Democrático dos Enfermeiros de Portugal (Sindepor), Carlos Ramalho, à saída da reunião negocial, em Lisboa, que contou com a presença da secretária de Estado da Saúde, Raquel Duarte.

Os enfermeiros mantêm a greve, que começa esta quinta-feira nos blocos operatórios de cinco hospitais, por falta de acordo com o Ministério da Saúde. 
Segundo os sindicatos, na reunião, que decorreu esta terça-feira, a Tutela propôs a revisão da carreira sem incluir a categoria de enfermeiro especialista 

Desta forma, a greve, marcada pela ASPE e pelo Sindepor, por melhores salários e uma carreira de enfermagem valorizada, começa na quinta-feira e termina no fim do ano, abrangendo os blocos operatórios do Centro Hospitalar Universitário de S. João, Centro Hospitalar Universitário do Porto, Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte e Centro Hospitalar de Setúbal.

Num comunicado, ao início da noite de terça-feira, o Ministério anunciava que o processo negocial «decorre com inteira normalidade, aguardando que os representantes dos profissionais considerem, na sua avaliação, o esforço adicional de negociação realizado por parte do Governo».

Técnicos de Diagnóstico e Terapêutica «cada vez mais revoltados»

Neste mesmo dia, os dirigentes sindicais dos técnicos de diagnóstico e terapêutica (TDT) deslocaram-se ao Ministério da Saúde para reivindicar o reinício de um processo negocial sobre as carreiras, interrompido em setembro, e exigir uma reunião urgente com a ministra, Marta Temido, tendo tido depois a informação de que a mesma teria lugar no dia 10 de dezembro.

Mas, esta data não agradou aos sindicatos, considerando Luís Dupont, presidente do Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica, ser «inadmissível a atitude do Governo e da Ministra da Saúde perante um problema com 18 anos de atraso».

O responsável lamenta a falta de resposta às estruturas sindicais representativas e com as quais assinaram um Protocolo Negocial a 24 de novembro de 2017, «que há muito já devia estar terminado».

«Os Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica estão cada vez mais revoltados com a postura inaceitável e insultuosa do Governo face a um processo negocial que já passou todos os limites e exigem que sejam feitas novas propostas. Concretas e justas», salienta o responsável, lembrando que em cima da mesa, estão concentrações, novas greves e denuncias de atitudes de desinvestimento nas áreas dos meios complementares de diagnóstico e terapêutica, exemplificando com casos concretos da falta de condições e de resposta dos serviços públicos do SNS por falta de TSDT e de recursos materiais, especialmente de equipamentos, recorrendo cada vez mais ao setor convencionado.

18tm47i
21 de Novembro de 2018
1847Pub4f18tm47i

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.