Saúde deve ser «prioridade nacional», alerta o Conselho Estratégico da CIP

por Teresa Mendes | 26.11.2018

CENS defende reforço de verbas para o SNS 
O Conselho Estratégico Nacional da Saúde (CENS), da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), renovou, esta sexta-feira, o apelo para que «se assuma a saúde como uma prioridade nacional», defendendo «um reforço de verbas e criação de um orçamento plurianual para o Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Num comunicado, o CENS salienta que «é imperioso, não só reconhecer a situação e condições do sistema de saúde português, mas também promover medidas para a sustentabilidade e a obtenção de ganhos em saúde».

Citando o recente estudo, «Health at a Glance», da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), este Conselho Estratégico sublinha que «uma vez mais o estudo da OCDE confirma que Portugal continua a ter uma despesa em Saúde muito menor do que a média Europeia», ficando a despesa per capita «25% abaixo da despesa médica regista na Europa a 28», sendo essa discrepância ainda maior no caso da despesa pública em saúde.

O Conselho Estratégico Nacional da Saúde, da Confederação Empresarial de Portugal, renova o apelo para que «se assuma a saúde como uma prioridade nacional», defendendo «um reforço de verbas e criação de um orçamento plurianual para o Serviço Nacional de Saúde 

A nota à Imprensa chama também a atenção para o facto de esforço financeiro que as famílias fazem (out-of-pocket) para ter acesso à saúde se «muito maior do que acontece na média dos países europeus» quando, em contrapartida, «em Portugal a percentagem das pessoas em situação de boa saúde é muito inferior à da média da União Europeia (UE)».

«Estas evidências reforçam os argumentos em favor das propostas que o CENS da CIP tem feito, nomeadamente para que se assuma a Saúde como uma prioridade nacional, com caráter estratégico e como vetor de desenvolvimento do país», apela o CENS, acrescentando que «Portugal deve avançar para a criação de um orçamento plurianual para o SNS, com a definição de plafonds suficientes para a prestação dos cuidados de saúde adequados e também para a prevenção e o investimento».

18tm48D
26 de Novembro de 2018
1848Pub2f18tm48d

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.