Ministério e Ordem dos Médicos contra inclusão de vacinas sem ouvir DGS

por Teresa Mendes | 30.11.2018

Universalização de certas vacinas deve ser sustentada por «critérios técnicos»
O Parlamento aprovou, esta terça-feira, a inclusão das vacinas da meningite B, rotavírus e HPV para os rapazes, mas a ministra da Saúde, Marta Temido, lembra que a Direção-Geral da Saúde (DGS) não foi ouvida neste processo, defendendo que os técnicos que têm vindo a ocupar-se das análises a propostas de vacinas «têm enorme credibilidade» e já desempenham essa função há muitos anos.

«Temos um Plano Nacional de Vacinação que tem sido construído ao longo dos anos com muito bons resultados em termos da cobertura vacinal e da adesão dos portugueses. Há uma grande confiança técnica na independência da DGS para construir aquelas que são as melhores políticas vacinais», defendeu esta quarta-feira, em declarações à RTP, considerando ainda que a «universalização de determinadas vacinas» deve ser sustentada por «critérios técnicos muito precisos e rigorosos», da competência da Comissão Nacional de Vacinação e da DGS. 

Por esses motivos, a governante anunciou que «vai aguardar pela redação final da norma relativa às três vacinas» que, por proposta de alteração ao Orçamento do Estado, vão ser incluídas no Plano Nacional de Vacinação (PNV).

O bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, em sintonia com a ministra, considerou também, em declarações à Lusa, que esta foi «uma má decisão da Assembleia da República por ser feita sem ouvir a DGS» e que «é uma falta de respeito pelos profissionais de saúde e pela própria DGS».

O Parlamento aprovou a inclusão das vacinas da meningite B, rotavírus e HPV para os rapazes, mas a ministra da Saúde lembra que a DGS não foi ouvida neste processo, defendendo que os técnicos que têm vindo a ocupar-se das análises a propostas de vacinas «têm enorme credibilidade»

A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, lamentou igualmente não ter sido ouvida.
«O Parlamento, e bem, porque é uma prerrogativa sua, ouviu quem entendeu. Ouviu a indústria farmacêutica, ouviu outras entidades e não ouviu a DGS nem a comissão técnica de vacinação presencialmente.
Gostaria que tivesse sido ouvida», tendo a responsável acrescentado que, ao longo dos tempos, têm sido enviados pareceres sobre vacinas, incluindo estas, para a Comissão Parlamentar de Saúde.

18tm48S
30 de Novembro de 2018
1848Pub6f18tm48S

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

 Bruno Silva-Santos eleito membro da European Molecular Biology Organizatio...

Bruno Silva-Santos, professor associado com agregação da Faculdade de Medicina da Universidade de Li...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.