Tutela defende regulamentação internacional para equilibrar preços dos fármacos

30.11.2018

Infarmed promove conferência sobre desafios dos medicamentos
O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, defendeu a regulamentação internacional como forma de equilibrar os «elevadíssimos preços» dos medicamentos inovadores, garantir a transparência no setor e o seu acesso a todos.

«Estaremos provavelmente a pagar demais por esses medicamentos, mas a forma de equilibrar passa por uma colaboração multinacional e, nomeadamente, por organismos como a Organização Mundial da Saúde e a União Europeia tomarem decisões no sentido de, por exemplo, aumentar a transparência de todo este setor», disse o responsável em declarações esta quinta-feira, à margem da conferência «Medicamentos – Enfrentando os Desafios: Equidade, Sustentabilidade e Acesso», que termina hoje, dia 30 de novembro, em Lisboa.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Francisco Ramos, defendeu a regulamentação internacional como forma de equilibrar os «elevadíssimos preços» dos medicamentos inovadores, garantir a transparência no setor e o seu acesso a todos 

Na opinião de Francisco Ramos, atualmente «há um conflito entre as empresas que comercializam esses produtos e que, natural e legitimamente, tentam maximizar os seus lucros com os sistemas de saúde, que têm que tornar esses produtos acessíveis a toda a população, e esse é um peso muito grande» que é preciso «tentar minimizar e gerir da melhor forma possível».

A solução passa, segundo o governante, por «reduzir custos de investigação, tornar a investigação menos onerosa e, sobretudo, ter uma regulamentação internacional que não ponha a remuneração dos acionistas das multinacionais farmacêuticas como prioridade número um para isto, mas sim eventualmente o acesso dos medicamentos aos doentes que deles precisam», argumentou.

Na conferência promovida pelo Infarmed, em colaboração com a Organização Mundial da Saúde Europa, Francisco Ramos reiterou dificuldades sentidas no acesso às tecnologias inovadoras, sobretudo os medicamentos, nomeadamente «os elevadíssimos preços e alguma dificuldade em avaliar em tempo útil o valor desses medicamentos».

Em Portugal, «temos tido bons resultados», porque temos «uma agência do medicamento muito capacitada, o Infarmed», e «uma prática já antiga que tem permitido o acesso a esses medicamentos», acrescentou.

De acordo com o secretário de Estado Adjunto e da Saúde, «temos mais de 150 medicamentos inovadores acessíveis» no Serviço Nacional de Saúde. «Isso quer dizer que temos conseguido fazê-lo, também muito à custa do sucesso das políticas de genéricos, biossimilares, tentando poupar nalgumas tecnologias para criar espaço para que Portugal possa tornar acessíveis aos portugueses essas tecnologias», sublinhou.

«Por muito que seja o barulho das luzes ou a espuma dos dias e [que] apareçam pessoas a queixar-se, Portugal está nos países com melhor acesso à inovação terapêutica», garantiu. 

18tm48R
30 de Novembro de 2018
1848Pub6f18tm48R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.06.2019

Rui Ivo volta a ser presidente do Infarmed

Rui Ivo é nomeado, pela segunda vez, presidente da direção do Infarmed.<br /> A nomeação do Conselh...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 Médicos estão cada vez mais receosos quando têm que denunciar insuficiênci...

Os profissionais de saúde têm «cada vez mais receio» de denunciar situações de insuficiências ou mau...

por Teresa Mendes | 14.06.2019

 IPO Lisboa apela à dádiva de sangue

No âmbito do Dia Mundial do Dador de Sangue, que se celebra esta sexta-feira, dia 14 de junho, o Ser...

14.06.2019

Taxas moderadoras nos centros de saúde com fim à vista

A proposta do Bloco de Esquerda que dita o fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser vo...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Médicos com alojamento assegurado para reforço de cuidados de saúde no verã...

 A Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve vai assegurar residência aos médicos que queiram...

por Teresa Mendes | 12.06.2019

Argumentos que pretendem proibir PPP na saúde «não são razoáveis»

Numa altura em que foi adiada a votação do artigo sobre as PPP da Lei de Bases da Saúde para o próxi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.