SPMI promove, pela primeira vez, o Mês da Medicina Interna

por Teresa Mendes | 06.12.2018

Percentagem de doentes aumenta 30% em dezembro
No ano em que celebra o seu 67.º aniversário, a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna (SPMI) decidiu assinala, pela primeira vez, o Mês da Medicina Interna, em dezembro, com o objetivo de destacar a importância desta especialidade médica no contexto hospitalar.

«Em dezembro, os Serviços de Medicina Interna têm de responder ao aumento das necessidades de internamento do Serviço de Urgência, que aumentam a sua lotação em mais de 30%.
Tantos doentes a mais são tratados com o mesmo número de internistas, sem qualquer compensação adicional, mantendo a qualidade assistencial», explica João Araújo Correia, presidente da SPMI, num comunicado.

Segundo o dirigente, «o doente agudo grave ou menos grave, e o que é portador de doença crónica descompensada, todos recorrem ao Serviço de Urgência do hospital, onde se sentem seguros e confiantes nas mãos dos internistas.
Mesmo em dezembro, quando as doenças se multiplicam, a Medicina Interna está sempre lá, porque o trabalho não a assusta. Os portugueses podem continuar a contar com a dedicação dos internistas».

A Sociedade Portuguesa de Medicina Interna assinala, pela primeira vez, o Mês da Medicina Interna, em dezembro, com o objetivo de destacar a importância desta especialidade médica no contexto hospitalar. 
Esta iniciativa insere-se nas comemorações do 67.º aniversário da SPMI

É também em dezembro, no próximo dia 14, que a SPMI assinala o seu 67.º aniversário, salientando João Araújo Correia que «atualmente somos a maior Sociedade Científica Médica Portuguesa (com 2500 sócios) e o nosso crescimento é imparável, com 940 internos em formação».

A partir deste ano, dezembro passará então a ser assinalado como o mês da Medicina Interna. «A vocação do internista para o tratamento do doente agudo ou crónico complexo faz com que possa trabalhar com qualidade em vários cenários, desde a emergência, à urgência, ao internamento (hospitalar ou domiciliário), às Unidades Intensivas e Intermédias, ou ainda nos Cuidados Continuados e Paliativos», reforça ainda a nota à Imprensa.

18tm49M
06 de Dezembro de 2018
1849Pub5f18tm49M

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

14.02.2019

 Spray nasal para tratar depressão recomendado pela FDA

O Comité Consultivo da FDA recomendou esta terça-feira a aprovação do Spravato™(esketamina), um spra...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.