«Estão a ser afetados doentes de extrema gravidade»

por Teresa Mendes | 06.12.2018

Greve dos enfermeiros: Presidente da APAH alerta para adiamento de cirurgias 
O presidente da Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH) alertou esta quarta-feira que a paralisação dos enfermeiros, que dura há semana e meia e se vai prolongar até ao final do mês, está a deixar os blocos operatórios numa situação «extremamente grave».

Em entrevista à Antena 1, o dirigente avisou que há doentes que não podem esperar muito tempo por uma intervenção. 

«Estão a ser afetados doentes de extrema gravidade que aguardam cirurgia e que se não a tiverem em tempo útil vão ver o seu estado de saúde ou degradar-se ou não ser recuperável.
Nunca vivemos uma situação desta natureza e estamos num estado de elevada preocupação sobre a saúde individual dos doentes», reforçou o dirigente.

O presidente da associação dos administradores hospitalares defendeu ainda que que o Ministério da Saúde deve tomar uma posição e, se não conseguir impedir a greve, que revele quais os casos graves, em nome do interesse público.

«A população tem direitos, muita dela está a aguardar cirurgia em casa, vê as cirurgias canceladas, não agendadas e é importante que todos tenhamos consciência da consequência desta greve que já perdura há praticamente duas semanas», justificou o responsável.

No mesmo dia, a bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, na abertura do Congresso da Secção Regional Sul da OE, em resposta a Alexandre Lourenço, afirmou que a greve «é um caminho necessário, que visa valorizar todas as pessoas incluindo o país, é um país que está doente, um país que não cuida do seu SNS».

«Estão a ser afetados doentes de extrema gravidade que aguardam cirurgia e que se não a tiverem em tempo útil vão ver o seu estado de saúde ou degradar-se ou não ser recuperável. Nunca vivemos uma situação desta natureza e estamos num estado de elevada preocupação sobre a saúde individual dos doentes», reforçou Alexandre Lourenço 

«Se chegarmos àquilo que poderá ser uma requisição civil, o que vos posso dizer é: resistam, porque estaremos cá para resistir por vocês», sublinhou ainda a bastonária.

Ana Rita Cavaco garante que entende o problema em relação ao adiamento de «quatro mil cirurgias», mas não percebe que «não se consiga chegar a acordo com uma classe a quem o país deve milhares de horas».

A entrevista do presidente da APAH pode ser ouvida aqui  

18tm49N
06 de Dezembro de 2018
1849Pub5f18tm49N

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.