Se for preciso, o HSM vai operar mesmo «com a discordância dos piquetes de greve»

por Teresa Mendes | 07.12.2018

Carlos Martins alerta para consequências do adiamento das cirurgias 
Desde o início da greve dos enfermeiros, há duas semanas, que o Hospital de Santa Maria não conseguiu fazer qualquer cirurgia a crianças, disse à TSF Carlos Martins, presidente do conselho de administração (CA) do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte (CHULN).

O responsável acrescentou ainda que 456 pessoas ficaram por operar naquela unidade hospitalar e que podem chegar a 1500 até ao final do mês, que é quando está previsto terminar a greve às cirurgias realizada pelos enfermeiros.

«Não conseguimos operar 456 cidadãos à nossa responsabilidade. Temos uma estimativa de não intervencionar até 1500 cidadãos até 31 de dezembro.

Dramático e uma preocupação maior é não termos conseguido operar uma única criança desde que esta greve começou.
O nosso bloco de cirurgia pediátrica não conseguiu fazer uma única intervenção por decisão clínica», lamentou o responsável, que estima que a greve dos enfermeiros irá ter um custo de «dois a três milhões de euros» para o hospital, «acrescentando uma nova lista de espera à lista de espera» já existente.

À TSF, Carlos Martins garantiu, no entanto, que há uma «orientação clara» a cumprir: «Se estiver em causa uma vida ou a qualidade de vida de um doente, a nossa opção é operar.

E se tivermos que dirimir alguma situação que seja em tribunal, se tivermos que fazer opção por alguma instituição do SNS, como já fizemos, ou se tivermos que optar por alguma instituição privada, também o faremos».

O administrador diz esperar que não seja preciso operar «com a discordância dos piquetes de greve», mas garante que, se for preciso, está disposto a isso.

Para que agora possa haver negociações, entende Carlos Martins, os enfermeiros têm que voltar ao trabalho.

Desde o início da greve dos enfermeiros, há duas semanas, que o Hospital de Santa Maria não conseguiu fazer qualquer cirurgia a crianças, disse à TSF Carlos Martins, presidente do conselho de administração do Centro Hospitalar de Lisboa Norte (CHULN)  

«Esta greve tem que parar, tem que haver uma mesa negocial, sobretudo porque está a afetar a equidade do serviço público. Esta greve já devia ter parado ao fim de 24 horas», sublinhou.

O administrador do CHULN diz compreender os motivos da greve dos enfermeiros, mas sublinha que «todos os profissionais de saúde têm razões de queixa», até porque «o país atravessou recentemente uma grande crise».

18tm49R
07 de Dezembro de 2018
1849Pub6f18tm49R

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.