Marta Temido defende reflexão profunda para «sair da fase da estagnação»

11.12.2018

Discussão do estudo «Momento Atual da Reforma dos CSP em Portugal»
Passados dez anos sobre a reforma dos cuidados de saúde primários (CSP), a ministra da Saúde defende que «se queremos aprofundar a reforma, temos de voltar a olhar para o modelo remuneratório das USF».
A dirigente considera ainda fundamental reavaliar o atual modelo B das USF, advertindo que este estatuto «não pode ser algo que se cristaliza».

Numa intervenção na sessão de discussão pública do estudo promovido pela Associação Nacional de Unidades de Saúde Familiar (USF-AN), «Momento Atual da Reforma dos CSP em Portugal 2017/2018», que decorreu esta sexta-feira, em Lisboa, a governante alertou que sem uma reflexão profunda sobre estas e outras matérias a reforma «não sairá desta fase, que é de alguma estagnação». 

A dirigente reconheceu que existem 16 USF modelo A já em condições para passar no presente ao modelo B e 31 unidades em processo de transição, mas que até ao final do ano não será possível criar mais USF modelo B, uma vez que o limite estabelecido pelos Ministérios da Saúde e das Finanças para 2018 foi atingido.

Passados dez anos sobre a reforma dos cuidados de saúde primários, a ministra da Saúde defende que «se queremos aprofundar a reforma, temos de voltar a olhar para o modelo remuneratório das USF». A dirigente considera ainda fundamental reavaliar o atual modelo B das USF, advertindo que este estatuto «não pode ser algo que se cristaliza» 

Marta Temido afiançou também que «reformar a reforma do CSP passa pela necessidade de caminharmos para a universalização do modelo USF A.

Temos dado o flanco vezes demais e subsiste hoje a dúvida, entre muitos, sobre se estaremos a providenciar unidades de saúde de diversa tipologia e qualidade no SNS, face a este convívio entre UCSP, USF A e USF B».

18tm50B
10 de Dezembro de 2018
1850Pub2f18tm50B

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Infarmed aprova utilização de canábis para sete indicações terapêuticas

São sete as indicações terapêuticas para a utilização de medicamentos à base de canábis medicinal au...

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Contratação simplificada: Técnicos de diagnóstico e terapêutica também fica...

Não são só os médicos que se sentem discriminados por não serem contemplados no processo de contrata...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

20.03.2019

 APMGF teme que consultas por telemóvel aumentem as desigualdades

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) critica a nova ferramenta...

20.03.2019

OM quer reunião urgente com ministra após «nível de desprezo» inédito

A Ordem dos Médicos (OM) pediu esta terça-feira uma reunião com caráter de urgência à ministra da Sa...

19.03.2019

 Consultar o doente pelo telemóvel vai ser uma realidade

Até ao final de junho a Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) vai começar a testar uma...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.