Equipa dedicadas nos serviços de Urgência avançam em 2019

por Teresa Mendes | 11.12.2018

«Termos de Referência para contratualização de cuidados de saúde no SNS» 
O conceito de Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) será estendido aos serviços de Urgência hospitalares.
Segundo os «Termos de Referência para contratualização de cuidados de saúde no SNS», em 2019 «estarão em execução experiências-piloto de implementação de CRI nos Serviços de Urgência, a decorrer em instituições que venham a ser identificados pelas ARS respetivas». 

O objetivo é «o aumento da autonomia de gestão, a maximização dos recursos, a otimização dos processos assistenciais e de decisão e o cumprimento integral dos tempos de resposta nos Serviços de Urgência», lê-se no documento base que estabelece o conjunto de orientações destinadas à contratualização nos cuidados de saúde primários, hospitalares e integrados, divulgado esta segunda-feira pela Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

O conceito de Centro de Responsabilidade Integrada (CRI) será estendido aos serviços de Urgência hospitalares. Em 2019 «estarão em execução experiências-piloto de implementação de CRI nos Serviços de Urgência, a decorrer em instituições que venham a ser identificados pelas ARS respetivas» 

Estas experiências-piloto «serão adaptadas às condições concretas de cada instituição e seguirão as recomendações emanadas pelo grupo de trabalho constituído em 2018, nesta área», informa a publicação

De qualquer forma, as orientações genéricas dadas pela ACSS é que «sejam dotadas de estrutura autónoma, de missão e objetivos claros, de recursos humanos próprios, recursos logísticos adequados, forte componente de cultura e ética organizacional e garantia da sustentabilidade».

Este modelo de CRI nas Urgências prevê ainda a «otimização dos fluxos e organização dos circuitos de acordo com a situação clínica dos doentes, ou com a necessidade expectável de consumo de cuidados, procurando reduzir situações de saturação de meios e contribuindo para a melhoria da acessibilidade e da qualidade da atividade assistencial», acrescentando que haverá lugar à «retribuição financeira às equipas e profissionais em função do desempenho».

O modelo com equipas dedicadas tem ainda como orientações genéricas, a articulação com os meios e estruturas de resposta em situações de emergência pré hospitalar; a garantia do cumprimento dos algoritmos e dos protocolos das vias verdes; a garantia de tempos de resposta adequados para doentes críticos e urgentes, em termos de observação médica, cuidados e decisão; e a interação e partilha com cuidados de saúde primários e com as respostas da RNCCI, do Setor Social e da Comunidade, na prevenção das situações de urgência e emergência, na resposta intra-hospitalar e na continuidade de cuidados.

18tm50G
11 de Dezembro de 2018
1850Pub3f18tm50G

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Transplante de órgãos aumentou 2% no primeiro semestre de 2019

A transplantação de órgãos em Portugal aumentou no primeiro semestre do ano em cerca de 2% - o equiv...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

Aprovada a nova Lei de Bases da Saúde

Após vários avanços e recuos, o Parlamento aprovou sexta-feira o diploma da Lei de Bases da Saúde, q...

22.07.2019

Seguro público na Saúde é «aumento encapotado de impostos»

Em resposta à ideia de Francisco Ramos, secretário de Estado da Saúde, de criar um «um seguro comple...

por Teresa Mendes | 22.07.2019

 Nove em cada 10 idosos seguidos CSP sentem-se sozinhos

Nove em cada 10 idosos seguidos nos cuidados de saúde primários (CSP) sentem algum grau de solidão,...

por Teresa Mendes | 19.07.2019

 18.º ENIJMF vai apostar em sessões out-of-the-box!

Este ano, em Évora, o 18.º Encontro de Internos e Jovens Médicos de Família (ENIJMF) «fará uma grand...

por Teresa Mendes | 18.07.2019

«A situação na saúde no Algarve é muito grave»

Faltam meios humanos, técnicos e infraestruturais no Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHU...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.