Marta Temido diz que «não abundam pediatras no país»

13.12.2018

Demissões no HDE: Bastonário pede à ministra da Saúde que resolva situação
 O bastonário da Ordem dos médicos (OM) apelou esta quarta-feira à ministra da Saúde para que resolva «a situação complicada» do hospital Dona Estefânia.
Em causa está o anúncio público da demissão dos chefes de equipa da Urgência, demissão essa que já tinha sido apresentada em outubro. Ministra diz que «não abundam pediatras no país».

Numa visita que realizou ao hospital e após reunião com a equipa demissionária, Miguel Guimarães disse aos jornalistas que os chefes de Serviço já tinham feito vários alertas à administração, no sentido de ser «absolutamente essencial a contratação de mais médicos» para o Serviço.

«Estes médicos pediram a demissão porque neste a situação no serviço de urgência é muito complicada», reforçou o dirigente, apresentando como exemplo da falta de pessoal o facto de os planos de contingência do hospital não conseguirem ser assegurados entre 90 a 100 por cento.

«A tutela sabe desta situação e não pode ignorar as necessidades deste hospital que serve uma população pediátrica importante e ninguém do Ministério falou com os clínicos demissionais», acrescentou Miguel Guimarães que aproveitou a ocasião para fazer um apelo à ministra da Saúde para que conheça a situação do hospital pediátrico, garantindo que há médicos que estão dispostos a trabalhar no hospital.

Hospital de D. Estefânia é «uma das jóias da coroa»

Os chefes de equipa já pediram à administração a contratação de 12 especialistas e esses pedidos já entraram na plataforma digital do Ministério da saúde, mas sem sucesso, revelou Alexandre Valentim Lourenço, presidente do Conselho Regional do Sul da OM, também presente na visita realizada ao hospital.

«A tutela sabe desta situação e não pode ignorar as necessidades deste hospital que serve uma população pediátrica importante e ninguém do Ministério falou com os clínicos demissionais», disse Miguel Guimarães 

No mesmo dia, e durante uma audição na Comissão Parlamentar de Saúde, a ministra da Saúde assumiu que o Hospital de D. Estefânia é «uma das joias da coroa» e não pode ser desfalcado, mas lembrou que «não abundam pediatras no país» e que a unidade já conta com 80 destes profissionais, havendo a necessidade de se ser «muito cuidadoso» na forma como são distribuídos pelos vários hospitais do país os profissionais disponíveis.

De qualquer forma, Marta Temido garantiu que vai acompanhar a situação dos pedidos de demissão destes responsáveis, sem antes dizer que estas podem ser vistas de duas formas: «ou como sinais de que algo não vai bem ou como formas de descredibilizar o sistema».

18tm50M
13 de Dezembro de 2018
1850Pub5f18tm50M

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 «Suspeição intolerável» 

 A ministra da Saúde, Marta Temido, considera uma «suspeição intolerável» do bastonário da Ordem dos...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.