Doenças respiratórias: Madeira tem maior taxa de mortalidade da Europa

por Teresa Mendes | 14.12.2018

Apresentado relatório do ONDR 
O 13.º relatório do Observatório Nacional de Doenças Respiratórias (ONDR) mostra que as doenças respiratórias matam, em média, 48 pessoas por dia (duas por hora) em Portugal. A Madeira assume um lugar de destaque, ao registar a maior taxa de mortalidade por doenças respiratórias de toda a Europa.

De acordo com o relatório, apresentado esta quinta-feira, no auditório dos Serviços Sociais da Câmara Municipal de Lisboa, em 2016 morreram 13.474 pessoas por doenças respiratórias, sendo que o número aumenta para mais de 17 mil se forem acrescentados os óbitos por cancro da traqueia, brônquios e pulmão.

Segundo o documento a que a Lusa teve acesso, as doenças respiratórias são, desde 2015, a terceira causa de morte, logo após o cancro, sendo responsáveis por 19% de todas as mortes em Portugal.

Em termos europeus, a taxa nacional de mortalidade por doenças respiratórias em Portugal Continental e nas Regiões Autónomas é das mais elevadas, ultrapassando os 115 por 10 mil habitantes, com a Madeira a registar a maior taxa da Europa.
Se forem excluídos os cancros da traqueia, brônquios e pulmão, as doenças respiratórias matam, em média, 37 pessoas por dia em Portugal, com as pneumonias a representarem 44% destas mortes.

«Este número é particularmente relevante, visto a pneumonia ser uma patologia potencialmente curável», sublinha o documento.

As mortes por pneumonia afetam sobretudo os mais velhos, sendo que em 94,3% os doentes tinham 65 ou mais anos e em 87% tinham 75 ou mais anos.

O relatório aponta também para uma «alta prevalência de internamentos por pneumonia como diagnóstico principal, representando cerca de 7% dos internamentos médicos» e perto de 5% de todos os episódios de internamento médicos e cirúrgicos.

A mortalidade por doença pulmonar obstrutiva crónica é também significativa, representando em 2016 cerca de 20% de todos os óbitos por doença respiratória, vitimando 2.791 pessoas.

Já a asma, que tem relevância em termos de morbilidade, representa apenas 1% do total das causas de morte por doença respiratória.

Doenças respiratórias são primeira causa de internamento

De acordo com o ONDR, os internamentos por doenças respiratórias aumentaram mais de 25% em dez anos e o número de doentes submetidos a ventilação mecânica mais do que duplicou.

Em 2007 Portugal registava menos de 90 mil internamentos por doenças respiratórias, valor que passou para mais de 112 mil em 2016.
Quanto aos doentes internados submetidos a ventilação mecânica, em 2007 eram cerca de 9300 e dez anos mais tarde mais de 21 mil.

O 13.º relatório do Observatório Nacional de Doenças Respiratórias mostra que as doenças respiratórias matam, em média, 48 pessoas por dia (duas por hora) em Portugal. A Madeira assume um lugar de destaque, ao registar a maior taxa de mortalidade por doenças respiratórias de toda a Europa 

Já relativamente aos custos, o relatório recorda dados de 2013, que apontam para que os internamentos por doença respiratória signifiquem mais de 210 milhões de euros.

O documento conclui igualmente que há muito a fazer em termos de prevenção e que menos de 2% dos doentes com indicação para reabilitação respiratória têm acesso ao tratamento.

Mais informações 

18tm50S
14 de Dezembro de 2018
1850Pub6f18tm50S

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 14.08.2019

Equipas  realizaram 1011 visitas ao domicílio e avaliaram 154 doentes

Desde que entraram em funcionamento, a 3 de junho, as equipas de hospitalização domiciliária das Uni...

por Teresa Mendes | 17.08.2019

Comissão Europeia lança apelo para encontrar especialistas na área de eHeal...

A Comissão Europeia (CE) lançou um apelo à manifestação de interesse no domínio da Saúde, com o obje...

por Teresa Mendes | 17.08.2019

 Médicos têm nova norma sobre diagnóstico e prevenção da carência de vitami...

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) e a Ordem dos Médicos (OM) elaboraram uma nova norma sobre as boas p...

17.08.2019

 Detectados 54 casos de mutilação genital feminina nos primeiros seis meses...

De janeiro a junho deste ano foram detetados 54 casos de mutilação genital feminina, quase tantos co...

por Teresa Mendes | 17.08.2019

«Morte cerebral e estado vegetativo persistente: Conceitos inconfundíveis»

No próximo dia 27 de setembro, pelas 18h30, na sede do Conselho Regional do Norte da Ordem dos Médic...

por Teresa Mendes | 15.08.2019

Dia da FMUL é assinalado no próximo dia 16 de setembro

No próximo dia 16 de setembro, a Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (FMUL) comemora o 7...

por Teresa Mendes | 13.08.2019

 Cerca de 1200 médicos podem ficar sem acesso à especialidade este ano

 A Associação de Médicos pela Formação Especializada (AMPFE) estima que este ano, o número de médico...

por Teresa Mendes | 13.08.2019

 Dívida dos hospitais aos laboratórios em rota ascendente

 A dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) à indústria farmacêutica prossegue a sua...

por Teresa Mendes | 12.08.2019

Francisco Ramos propõe cortes nas deduções fiscais para financiar o SNS

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde propõe a redução das deduções no IRS como forma de financi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.