«Tenho relatos de casos de doentes prioritários que não estão a ser operados»

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 25.12.2018

Bastonário da OM «obriga» hospitais a divulgar cirurgias adiadas 
A Ordem dos Médicos (OM) exige saber quantas cirurgias foram adiadas para fazer um retrato exato das repercussões que a paralisação dos enfermeiros teve. Para isso, já enviou um ofício aos cinco hospitais, que tem agora o prazo de 10 dias para responder.

«Continuo a ter queixas de médicos destes hospitais onde a greve decorre que estão desesperados e preocupados com os seus doentes. Tenho relatos de casos de doentes prioritários que não estão a ser operados, disso tenho a certeza, só não sei quantos», afirmou esta sexta-feira o bastonário da OM, à Lusa.

Em declarações à agência Lusa, o bastonário dos Médicos indicou ter enviado um ofício aos conselhos de administração dos cinco hospitais onde decorre a greve dos enfermeiros, a pedir acesso aos dados «ao abrigo da lei que regula o acesso a documentos administrativos e a informação administrativa».

O responsável quer que os hospitais divulguem à OM o número de cirurgias adiadas como consequência da greve dos enfermeiros, desde o início da paralisação e até esta sexta-feira, o nível de prioridade de cada cirurgia e a patologia de cada doente.

O bastonário pede ainda que seja indicada a data de inscrição de cada doente no sistema de gestão de cirurgias, para se saber quanto tempo o doente esperou até uma cirurgia que viu ser adiada, bem como a data de reagendamento da operação ou a indicação de que não houve ainda reagendamento.

Segundo Miguel Guimarães, de acordo com a lei, os hospitais terão dez dias para responder a este pedido.
 
«Continuo a ter queixas de médicos destes hospitais onde a greve decorre que estão desesperados e preocupados com os seus doentes. 
Tenho relatos de casos de doentes prioritários que não estão a ser operados, disso tenho a certeza, só não sei quantos», afirmou o bastonário da OM 

Recorde-se que no princípio da greve dos enfermeiros, que começou há um mês, Miguel Guimarães tinha apelado ao Ministério da Saúde e aos hospitais para que divulgassem os casos dos doentes com cirurgias adiadas em consequência da greve.

«Este apelo não foi correspondido», lamenta, adiantando que espera que não seja necessário «que aconteça uma desgraça maior para que alguém venha depois defender esta divulgação».

Miguel Guimarães considera fundamental que os portugueses saibam a realidade do que está a acontecer, «sem alarmismos».

A greve em blocos operatórios de cinco hospitais público decorre desde 22 de novembro e termina no final do mês, tendo provocado o adiamento de pelo menos cinco mil cirurgias segundo o Governo e acima de sete mil, de acordo com os enfermeiros.

Teresa Mendes  

18tm52d
24 de Dezembro de 2018
1852Pub2f18tm52d

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 O polémico uso de exames com radiação nas doenças coronárias 

Numa altura em que a prevenção e tratamento das doenças cardiovasculares se reveste de maior importâ...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Trofa Saúde Hospital abre dia 8 de abril em Loures

A primeira unidade no Sul do país do Grupo Trofa Saúde Hospital vai situar-se no LoureShopping, com...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Três gerações vão organizar 40.º aniversário do SNS

O ex-diretor-geral da Saúde Francisco George, a subdiretora-geral da Saúde e administradora hospital...

por Teresa Mendes | 22.03.2019

 Após descida histórica, dívida dos hospitais volta a crescer

 Após uma descida histórica de quase 30% em dezembro passado, a dívida dos hospitais à indústria far...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.