Enfermeiros mantêm-se irredutíveis quanto à greve

por Teresa Mendes | 25.12.2018

Reunião com ministra da Saúde termina sem acordo 
A reunião entre a ministra da Saúde e os sindicatos dos enfermeiros não foi suficiente para fazer recuar na decisão da greve. Marta Temido acredita que o consenso vai ser atingido, mas nem todas as estruturas sindicais consideram que esse caminho seja possível, mantendo a paralisação prevista para o próximo mês.

«Esta reunião foi para avaliação do ponto de situação sobre o estado da profissão de enfermagem e não uma negociação de carreiras e a expectativa é que, no início do novo ano, haja condições para aprofundar esta negociação», disse a ministra da Saúde, esta sexta-feira, no final do encontro.

«Temos que dar passos no sentido de nos aproximar, é isso que vamos fazer em janeiro, mas têm de ser passos com algumas linhas vermelhas e toda a sociedade tem de perceber por que é que elas existem», sublinhou a governante, citada pela agência Lusa.

Marta Temido disse querer acreditar que «esses passos sejam suficientes para um consenso com os sindicatos, porque as várias profissões aqui envolvidas e as outras profissões da saúde, a administração pública e os trabalhadores do setor privado terão muita dificuldade em perceber que haja uma reivindicação de passar um salário base que é de 1200 euros para 1600 euros ou uma remuneração de especialista para 2700 euros».

«Compreendo as expectativas, mas são caminhos que temos de percorrer em conjunto e não vamos conseguir percorrê-los se estivermos de costas voltadas. Foi por isso que esta reunião hoje existiu», vincou Marta Temido.
Contudo, nem todos os sindicatos acreditam poder chegar a acordo em janeiro.

No final da reunião, Lúcia Leite, da Associação Sindical Portuguesa de Enfermeiros (ASPE), um dos dois sindicatos que convocou a greve nos blocos operatórios de cinco centros hospitalares do país, disse que a greve de 45 dias prevista para janeiro se vai manter.

A reunião entre a ministra da Saúde e os sindicatos dos enfermeiros não foi suficiente para fazer recuar na decisão da greve. Marta Temido acredita que o consenso vai ser atingido, mas nem todas as estruturas sindicais consideram que esse caminho seja possível, mantendo a paralisação prevista para o próximo mês

Segundo Lúcia Leite, o encontro de hoje foi «uma tentativa de sensibilização dos sindicatos para pararem a greve», mas, afirmou: «Não vamos parar».

«O Ministério manteve exatamente as posições que tem tido até agora, fez um jogo de propostas e contrapropostas (…) e nós entendemos que a contraproposta que o Governo apresenta não responde às reivindicações dos dois sindicatos», que não aceitam «uma carreira que não tenha a categoria de especialista».

Por isso, «mantemos a greve em janeiro», disse Lúcia Leite, adiantando que, entretanto, há um «período de tempo sem greve que permitirá ao Governo negociar» com os dois sindicatos, estando a próxima reunião negocial marcada para 2 de janeiro.

«Esperamos que a posição deixe de ser uma posição irredutível e que haja uma reunião onde possamos efetivamente esgrimir os argumentos de ambas as partes», frisou.

18tm52c
24 de Dezembro de 2018
1852Pub2f18tm52c

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Infarmed aprova utilização de canábis para sete indicações terapêuticas

São sete as indicações terapêuticas para a utilização de medicamentos à base de canábis medicinal au...

por Teresa Mendes | 21.03.2019

Contratação simplificada: Técnicos de diagnóstico e terapêutica também fica...

Não são só os médicos que se sentem discriminados por não serem contemplados no processo de contrata...

21.03.2019

 Médicos alertam para rutura na Neonatologia da Maternidade Bissaya Barreto

O Sindicato dos Médicos da Zona Centro (SMZC) alertou esta quarta-feira para a rutura iminente no se...

21.03.2019

 Tutela estuda alargamento do cheque dentista a crianças menores de seis an...

O Ministério da Saúde está a estudar o alargamento dos cheques dentista a crianças menores de seis a...

20.03.2019

 APMGF teme que consultas por telemóvel aumentem as desigualdades

O presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) critica a nova ferramenta...

20.03.2019

OM quer reunião urgente com ministra após «nível de desprezo» inédito

A Ordem dos Médicos (OM) pediu esta terça-feira uma reunião com caráter de urgência à ministra da Sa...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.