Parlamento recua e novas vacinas terão de ter luz verde da DGS

25.12.2018

Versão final do Orçamento do Estado introduz o termo «articulação com a DGS»
Afinal a Direção-Geral da Saúde (DGS) terá uma palavra a dizer na decisão de incluir ou não as três novas vacinas contra o rotavírus, a meningite B e o papiloma vírus humano (aos rapazes) no Plano Nacional de Vacinação.

O Parlamento recuou e a versão final do documento do Orçamento do Estado introduz o termo «articulação com a DGS» nessa decisão, avança o Público.

Recorde-se que foi no final de novembro passado que o Parlamento aprovou, com os votos contra do PS e a abstenção do CDS-PP, as propostas do PCP e do BE no sentido da inclusão, em 2019, no Plano Nacional das três vacinas.

Na altura, a decisão provocou alguma polémica por não terem sido ouvidos especialistas.

O bastonário da Ordem dos Médicos disse ver com «preocupação» o facto de os deputado «estarem a interferir nas boas práticas em saúde» e a própria diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, disse temer a abertura de um «precedente» em que a Assembleia passe a legislar sobre atos médicos sem ouvir os especialistas.

Agora, explica o Público, o processo que ficou inscrito no Orçamento do Estado prevê que a decisão final tenha de ser tomada só depois de serem dados alguns passos prévios: primeiro a comissão técnica de vacinação da DGS emite um parecer sobre cada vacina, depois a DGS emite um parecer com base nessa avaliação e, de seguida, a ministra da Saúde tomará a decisão com base no parecer da DGS. Se a decisão final for positiva, caberá depois à DGS definir os pormenores técnicos como o calendário de vacinação e o número de doses. 

Afinal a Direção-Geral da Saúde (DGS) terá uma palavra a dizer na decisão de incluir ou não as três novas vacinas no Plano Nacional de Vacinação. O Parlamento recuou e a versão final do Orçamento do Estado introduz o termo «articulação com a DGS» nessa decisão 


Ao mesmo jornal, a assessoria da DGS comentou que a decisão abre «um caminho de conciliação que permitirá à DGS fazer o seu trabalho do ponto de vista da saúde pública».

As três vacinas em causa estão atualmente a ser analisadas pela comissão técnica do organismo.
Para já, aquela que levanta mais reservas é a do rotavírus já que, nas palavras da diretora-geral Graça Freitas, a patologia «não tem peso suficiente em Portugal» para a vacina passar a ser obrigatória.

18tm52b
24 de Dezembro de 2018
1852Pub2f18tm52b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Carlos Mesquita | 10.07.2019

 20 anos do ATLS em Portugal

Artigo de Carlos Mesquita<br /> <br /> Os evidentes progressos das quatro últimas décadas em Portu...

por Teresa Mendes | 21.08.2019

 Abertas as candidaturas para a conferência «SNS no Feminino»

A Associação Portuguesa Para o Desenvolvimento Hospitalar (APDH) está a organizar a conferência «SNS...

por Teresa Mendes | 21.08.2019

SCML inaugura Unidade de medicina dentária pediátrica gratuita

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML) inaugurou esta terça-feira, o Serviço Odontopediátrico...

21.08.2019

Ministra da Saúde defende reorganização das maternidades no país

 A ministra da Saúde defendeu, esta terça-feira, uma reorganização das maternidades do País, reconhe...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Governo autoriza 22,5 milhões para a nova ala pediátrica

Uma Portaria publicada esta segunda-feira no Diário da República autoriza o Hospital de São João a «...

por Teresa Mendes | 20.08.2019

Celebrados os 40 anos do SNS 

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) foi criado há 40 anos, tornando o acesso a cuidados de saúde «gera...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

 Descoberto novo mecanismo na pele sensível à dor

Investigadores do Karolinska Institutet, Suécia, descobriram um novo mecanismo sensorial na pele cap...

por Teresa Mendes | 19.08.2019

IFDC 2019 decorre de 15 a 18 de outubro, em Lisboa

O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa), através do seu Departamento de Alimentaçã...

por Teresa Mendes | 17.08.2019

Comissão Europeia lança apelo para encontrar especialistas na área de eHeal...

A Comissão Europeia (CE) lançou um apelo à manifestação de interesse no domínio da Saúde, com o obje...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.