Enfermeiros põem Centro Hospitalar de Lisboa Central em tribunal

por Teresa Mendes | 31.12.2018

Há 10 anos que profissionais não têm qualquer progressão na carreira
Mais de 180 enfermeiros do Centro Hospitalar Lisboa Central (CHLC) avançaram, esta sexta-feira, com uma ação conjunta em tribunal para exigir o reposicionamento remuneratório e ver reconhecidos todos os anos de trabalho desde a última progressão na carreira, há 10 anos.

Segundo a ação, a que a agência Lusa teve acesso, os enfermeiros do CHLC pretendem «ver reconhecido o direito a que sejam tidos em conta todos os anos de exercício de funções desde a última progressão na carreira» e querem ver terminado o processo de reposicionamento remuneratório.

Segundo a Lusa, grande parte destes enfermeiros mantêm-se até hoje na primeira posição remuneratória da categoria de enfermeiro e, por isso, a receber a mínima remuneração possível.

A última vez que estes profissionais tiveram uma promoção na carreira foi há 10 ou mais anos, indica a ação.

Os enfermeiros «considerem estarem criadas condições para verem ser contabilizados todos os anos de exercício de funções para efeitos de reposicionamento remuneratório».

Na ação entregue no Tribunal Administrativo do Círculo de Lisboa, os enfermeiros recordam que «existem vários hospitais do Serviço Nacional de Saúde que já terminaram o processo de reposicionamento remuneratório e reconheceram aos profissionais a atribuição de 1,5 pontos por cada ano entre 2011 e 2014».

Em declarações à mesma agência, Rogério Alves, o advogado que representa estes enfermeiros, afirmou os profissionais pretendem «a efetivação de um direito que têm, mas que não é reconhecido na prática».

O advogado recorda que o direito de reconstrução da carreira e de reposição remuneratória resulta da própria lei do Orçamento do Estado de 2018 e tem efeito retroactivo.

Mais de 180 enfermeiros do Centro Hospitalar Lisboa Central (CHLC) avançaram, esta sexta-feira, com uma ação conjunta em tribunal para exigir o reposicionamento remuneratório e ver reconhecidos todos os anos de trabalho desde a última progressão na carreira, há 10 anos 

Para o advogado, além da discrepância em relação à lei, há ainda discrepância em relação ao que acontece noutros centros hospitalares, que já atribuíram o reposicionamento remuneratório.

«Isto parece absurdo, que os mesmos profissionais em diferentes centros hospitalares tenham situações diferentes», afirma Rogério Alves, considerando que «além de injusta», a situação é mesmo ilegal.

18tm52r
31 de Dezembro de 2018
1852Pub2f18tm52r

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

por Teresa Mendes | 17.06.2019

CE alerta para a diminuição do investimento na Saúde em Portugal

Um relatório da Comissão Europeia (CE) sobre a sustentabilidade financeira dos sistemas de saúde, di...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.