Tratamentos termais voltam a ser comparticipados em 2019

por Teresa Mendes | 02.01.2019

Associação das Termas de Portugal e APMGF aplaudem medida
 Tratamentos termais voltam a ser comparticipados em 2019 Os tratamentos termais voltam a ser comparticipados pelo Estado em 2019, tendo como limite máximo 95 euros por utente, segundo uma Portaria publicada esta segunda-feira.

O valor da comparticipação foi estabelecido em 35%, com o limite de 95 euros por conjunto de tratamentos. A Associação das Termas de Portugal e a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF) já aplaudiram a medida.

A prescrição terá de ser feita pelo médico de família e abrange várias doenças, entre as quais artrite reumatoide, rinite, asma, diabetes, anemia ou insuficiência venosa.

Este regime de comparticipação, que assume a forma de projeto-piloto, será avaliado ao fim de um ano, de forma a medir os benefícios alcançados por estes tratamentos.

Os tratamentos termais voltam a ser comparticipados pelo Estado em 2019, tendo como limite máximo 95 euros por utente, segundo uma portaria publicada esta segunda-feira. O valor da comparticipação foi estabelecido em 35%, com o limite de 95 euros por conjunto de tratamentos

Com esta medida é retomado o financiamento dos tratamentos realizados nas termas, que tinha sido suspenso em 2011, altura de austeridade em Portugal.

«O termalismo encontra-se alinhado com o Plano Nacional de Saúde Revisão Extensão a 2020 e pode contribuir para o tratamento e prevenção de patologias crónicas, bem como para uma eventual redução da despesa em meios complementares de diagnóstico e terapêutica (MCDT) e em medicamentos, para além da diminuição do absentismo laboral, aumento da produtividade e melhoria da qualidade de vida», justifica o Governo no preâmbulo do diploma publicado no Diário da República.

19tm01c
02 de Janeiro de 2019
1901Pub4f18tm01c

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

 SIM acusa Governo de não resolver a «situação crítica» no INML

No dia da abertura do ano judicial o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) deixou um apelou ao Go...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.