Ministério anuncia contratação de 450 novos enfermeiros

por Teresa Mendes | 07.01.2019

Bastonária diz que medida é positiva, mas insuficiente 
 A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE) considera positiva a contratação de 450 novos enfermeiros para os hospitais públicos anunciada este sábado pelo Ministério da Saúde, mas diz que o número é insuficiente e que a medida é uma reação do Governo à «situação caótica vivida nas urgências».

Num comunicado, o Ministério da Saúde anunciou, além dos 450 enfermeiros, a contratação de 400 assistentes operacionais para os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

«Ela [a medida] é boa, evidentemente. Agora, não nos podemos esquecer de que estavam em falta, só por causa da questão da passagem para as trinta e cinco horas, mais setecentos enfermeiros que tinham sido na altura combinados, entre o ministro [da Saúde] Adalberto [Campos Fernandes] e o ministro das Finanças, em outubro, que não chegaram a ser contratados», recordou Ana Rita Cavaco, em declarações este domingo, à agência Lusa. 

Além deste compromisso não concretizado, a bastonária da OE lembrou que Portugal, em termos internacionais, «tem dos mais baixos rácios» dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico: 4,2 enfermeiros por 1.000 habitantes quando a média na OCDE é de 9,3.

Para Ana Rita Cavaco, esta decisão da tutela é também uma reação à «situação caótica» que se verifica em urgências de hospitais do país, devido à época gripal.

«Também achamos que o Governo está a reagir àquilo que é já uma situação caótica em várias urgências do país: Barreiro, Setúbal, no Norte também muitos hospitais com urgências sobrecarregadas, inclusive o [Hospital] Garcia da Orta esteve alguns dias sem receber doentes vindos do INEM, precisamente por isso», disse a bastonária.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE) considera positiva a contratação de 450 novos enfermeiros para os hospitais públicos anunciada este sábado pelo Ministério da Saúde, mas diz que o número é insuficiente e que a medida é uma reação do Governo à «situação caótica vivida nas urgências»

Apesar de a contratação destes 450 profissionais ser «positiva», Ana Rita Cavaco lamenta que este tipo de medidas sejam tomadas em épocas críticas para os hospitais, como a gripal, colocando problemas na contratação destes profissionais.

A nota divulgada pelo gabinete da ministra da Saúde, Marta Temido, informa que «os hospitais vão iniciar de imediato os procedimentos necessários à celebração de contrato, constituindo este o primeiro reforço de recursos humanos para 2019».

O Ministério da Saúde acrescenta que a autorização conjunta do Ministério da Saúde e do Ministério das Finanças «prevê a contratação destes profissionais por tempo indeterminado, na medida em que irão satisfazer necessidades permanentes de serviço».

Segundo a mesma nota, estes profissionais irão dar resposta, «em simultâneo, às necessidades sazonais, ou seja, associadas ao período de inverno e ao surgimento de síndromas gripais e respiratórios».

19tm02b
07 de Janeiro de 2019
1902Pub2f18tm02b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.