Ministério anuncia contratação de 450 novos enfermeiros

por Teresa Mendes | 07.01.2019

Bastonária diz que medida é positiva, mas insuficiente 
 A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE) considera positiva a contratação de 450 novos enfermeiros para os hospitais públicos anunciada este sábado pelo Ministério da Saúde, mas diz que o número é insuficiente e que a medida é uma reação do Governo à «situação caótica vivida nas urgências».

Num comunicado, o Ministério da Saúde anunciou, além dos 450 enfermeiros, a contratação de 400 assistentes operacionais para os hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

«Ela [a medida] é boa, evidentemente. Agora, não nos podemos esquecer de que estavam em falta, só por causa da questão da passagem para as trinta e cinco horas, mais setecentos enfermeiros que tinham sido na altura combinados, entre o ministro [da Saúde] Adalberto [Campos Fernandes] e o ministro das Finanças, em outubro, que não chegaram a ser contratados», recordou Ana Rita Cavaco, em declarações este domingo, à agência Lusa. 

Além deste compromisso não concretizado, a bastonária da OE lembrou que Portugal, em termos internacionais, «tem dos mais baixos rácios» dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico: 4,2 enfermeiros por 1.000 habitantes quando a média na OCDE é de 9,3.

Para Ana Rita Cavaco, esta decisão da tutela é também uma reação à «situação caótica» que se verifica em urgências de hospitais do país, devido à época gripal.

«Também achamos que o Governo está a reagir àquilo que é já uma situação caótica em várias urgências do país: Barreiro, Setúbal, no Norte também muitos hospitais com urgências sobrecarregadas, inclusive o [Hospital] Garcia da Orta esteve alguns dias sem receber doentes vindos do INEM, precisamente por isso», disse a bastonária.

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE) considera positiva a contratação de 450 novos enfermeiros para os hospitais públicos anunciada este sábado pelo Ministério da Saúde, mas diz que o número é insuficiente e que a medida é uma reação do Governo à «situação caótica vivida nas urgências»

Apesar de a contratação destes 450 profissionais ser «positiva», Ana Rita Cavaco lamenta que este tipo de medidas sejam tomadas em épocas críticas para os hospitais, como a gripal, colocando problemas na contratação destes profissionais.

A nota divulgada pelo gabinete da ministra da Saúde, Marta Temido, informa que «os hospitais vão iniciar de imediato os procedimentos necessários à celebração de contrato, constituindo este o primeiro reforço de recursos humanos para 2019».

O Ministério da Saúde acrescenta que a autorização conjunta do Ministério da Saúde e do Ministério das Finanças «prevê a contratação destes profissionais por tempo indeterminado, na medida em que irão satisfazer necessidades permanentes de serviço».

Segundo a mesma nota, estes profissionais irão dar resposta, «em simultâneo, às necessidades sazonais, ou seja, associadas ao período de inverno e ao surgimento de síndromas gripais e respiratórios».

19tm02b
07 de Janeiro de 2019
1902Pub2f18tm02b

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Economista Márcia Roque é a nova presidente da ACSS

O Conselho de Ministros (CM) desta quinta-feira nomeou a economista Márcia Roque para presidente do...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

 Portugal tem o maior rácio de médicos de MGF por habitante da UE

Portugal é o país da União Europeia (UE) com a maior taxa de especialistas de Medicina Geral e Famil...

18.01.2019

CHUC lança projeto «H2 – Humanizar o Hospital»

O Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) lança, no próximo dia 24, o projeto «H2 - Huma...

por Teresa Mendes | 18.01.2019

Daniel Ferro substitui Carlos Martins à frente do CHULN

Daniel Ferro, atual presidente do conselho de administração do Hospital Garcia de Orta, vai substitu...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Centro Hospitalar do Oeste está «refém de prestadores de serviço»

O Centro Hospitalar do Oeste (CHO) é a terceira unidade de saúde do país com maior volume de horas c...

por Teresa Mendes | 17.01.2019

Cancro digestivo mata uma pessoa a cada hora em Portugal

O cancro digestivo mata uma pessoa por hora em Portugal, uma doença que tem vindo a aumentar nos últ...

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Governo quer melhorar os Serviços de Urgência

O Governo criou um grupo de trabalho para estudar os diferentes modelos organizativos no funcionamen...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.