Divulgação de manifesto é «ilegítima», diz diretor clínico do CHULC

por Teresa Mendes | 09.01.2019

Profissionais vão enviar documento para o Presidente da República
O diretor clínico do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) defendeu esta terça-feira que a divulgação pública do manifesto de diretores clínicos a alertar para a «gravidade das condições de trabalho» é «completamente inadequada e ilegítima».

Em reação enviada à Lusa sobre a divulgação do manifesto assinado por todos os diretores clínicos e responsáveis de especialidade do CHULC, Luís Nunes, declarou que foi «com surpresa» que tomou conhecimento da divulgação pública de um documento interno, aprovado em reunião da Comissão Médica.

«Desconheço se é o documento aprovado nesta reunião ou uma versão diferente, o que não é irrelevante.
Em qualquer circunstância, enquanto diretor clínico, considero que a divulgação pública deste documento interno da Direção Clínica nos termos em que foi feita é completamente inadequada e ilegítima e não serve os interesses do CHULC.

Será a última vez que enquanto diretor clínico me pronunciarei sobre este assunto», afirmou Luís Nunes à Lusa.

Este responsável disse também que lembrou no início da reunião da Comissão Médica que este é «um órgão técnico que reúne institucionalmente» e que os assuntos tratados e documentos aprovados deviam ser-lhe remetidos «para os encaminhar para as instâncias adequadas».
No documento, ao qual a Lusa teve acesso, os signatários afirmam que têm alertado ao longo destes últimos anos, através de cartas e ofícios dirigidos às estruturas hierárquicas, para os constrangimentos vários que impedem a realização da sua principal função: «Assistência de qualidade aos doentes» que os procuram.

O diretor clínico do CHULC, Luís Nunes, defendeu esta terça-feira que a divulgação pública do manifesto de diretores clínicos a alertar para a «gravidade das condições de trabalho» é «completamente inadequada e ilegítima»

Além da deterioração das condições de trabalho, «com riscos para quem mais interessa, os doentes, esta situação comprometerá no curto prazo a capacidade assistencial, levando ao encerramento de serviços, a começar pelos das diversas urgências que o centro hospitalar disponibiliza, por falta de condições mínimas, ou ausência mesmo de quaisquer condições de elementar segurança para o seu normal funcionamento», alertam os subscritores.

«O trabalho diário passou a gestão permanente de crises», afirmam, considerando «estar agora seriamente comprometida a sua dupla capacidade de prestação assistencial e de treino médico».

A Rádio Renascença avançou esta terça-feira que os signatários vão enviar o manifesto ao Presidente da República e ao Governo, concedendo um mês para que a situação mude ou reservam-se o direito de avançarem para outras medidas que não especificam.

19tm02k
09 de Janeiro de 2019
1902Pub4f18tm02k

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

por Teresa Mendes | 17.06.2019

CE alerta para a diminuição do investimento na Saúde em Portugal

Um relatório da Comissão Europeia (CE) sobre a sustentabilidade financeira dos sistemas de saúde, di...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.