Enfermeiros só têm de responder hierarquicamente a outros enfermeiros

por Teresa Mendes | 09.01.2019

Ordem dos Enfermeiros toma posição pública sobre situação nas USF 
Numa tomada de posição pública, a Ordem dos Enfermeiros (OE) defende que «a relação de subordinação hierárquica e funcional nas unidades de saúde familiar (USF) só existe entre enfermeiros e não em relação a qualquer outro grupo profissional». 

Em causa estão, de acordo com uma nota publicada esta terça-feira no site do organismo, «os inúmeros pedidos de esclarecimento sobre os procedimentos de gestão de recursos humanos que têm vindo a ser adotados, em particular nas USF» que colocam em causa «a autonomia e independência técnica e funcional da profissão de enfermagem».

No comunicado, a OE esclarece que «é da exclusiva competência das direções de enfermagem elaborar e publicitar a regulamentação interna relativa a todas as matérias que respeitem à gestão e ao desenvolvimento dos enfermeiros e da sua atividade profissional, bem como é da exclusiva competência dos enfermeiros a gestão dos cuidados de enfermagem, a organização do trabalho e a afetação dos recursos em cada uma das unidades funcionais que compõem os Agrupamentos de Centros de Saúde».

Numa tomada de posição pública, a Ordem dos Enfermeiros (OE) defende que «a relação de subordinação hierárquica e funcional nas unidades de saúde familiar (USF) só existe entre enfermeiros e não em relação a qualquer outro grupo profissional» 

O comunicado prossegue dizendo que «é também da exclusiva competência de enfermeiros a avaliação de desempenho destes profissionais, sublinhando-se que a relação de subordinação hierárquica e funcional só existe entre enfermeiros e não em relação a qualquer outro grupo profissional».

Como tal, conclui o documento, «as funções de direção e chefia são asseguradas por enfermeiros-supervisores ou enfermeiros-chefes, sendo que na ausência destes apenas podem assegurar tais funções enfermeiros especialistas a quem tenha sido atribuída pela OE a Competência Acrescida Avançada em Gestão».

Consulte o documento na íntegra aqui

19tm02j
09 de Janeiro de 2019
1902Pub4f18tm02j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 22.05.2019

Apenas um quarto dos médicos consegue conciliar carreira com vida familiar

A grande maioria dos médicos que trabalha no Serviço Nacional de Saúde (73%) não consegue conciliar...

22.05.2019

 Infarmed conclui processos de financiamento para 22 novos fármacos

 A conclusão de processos de financiamento relativos a novos medicamentos (novas substâncias ativas...

22.05.2019

Fundadores do Observatório de Saúde António Arnaut  defendem transparência

O coordenador do Observatório de Saúde António Arnaut (OSAA) defendeu esta terça-feira, em Coimbra,...

por Teresa Mendes | 22.05.2019

 Encargos com as PPP da saúde aumentaram quase 30%

Os encargos líquidos com parcerias público-privadas (PPP) subiram 5% nos primeiros seis meses de 201...

por Teresa Mendes | 21.05.2019

Taxas de cesariana e de mortalidade materna e perinatal são os temas mais p...

Diogo Ayres de Campos, diretor do Serviço de Obstetrícia do Hospital de Santa Maria (Centro Hospital...

21.05.2019

Porto quer ser «Cidade Sem Sida» até 2020

 A Câmara Municipal do Porto e 22 instituições assinaram esta segunda-feira, dia 20 de maio, o proto...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.