Administração do Hospital de São João apresenta pedido de renúncia

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 10.01.2019

Administradores alegam que mandato terminou a 31 de dezembro
O conselho de administração (CA) do Hospital de São João, no Porto, apresentou esta quinta-feira um pedido de renúncia ao Ministério da Saúde.

Em comunicado, os administradores indicam que em causa está o facto de o seu mandato ter terminado 31 de dezembro de 2018, afastando qualquer relação com a degradação das condições de trabalho no centro hospitalar.

Entretanto, o Ministério da Saúde já confirmou, num comunicado, que «teve conhecimento do pedido de renúncia, na sequência do término do mandato a 31 de dezembro».
«É um mecanismo que está previsto na Lei», confirma a Tutela, citada pela Lusa.

Na nota, o Ministério diz ainda que tem dialogado com o CA no âmbito da resolução do processo da ala pediátrica, «reconhecendo o empenho do presidente em criar condições para a transferência dos doentes pediátricos para as instalações do hospital».

A administração do Hospital de São João apresentou esta quinta-feira um pedido de renúncia ao Ministério da Saúde. Em comunicado, os administradores indicam que em causa está o facto de o seu mandato ter terminado 31 de dezembro de 2018, afastando qualquer relação com a degradação das condições de trabalho no centro hospitalar 

Numa reação a este pedido de renúncia, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, considerou que foram «várias as situações que fizeram com que fosse cada vez mais difícil fazer com que quem está nas administrações hospitalares consiga fazer o seu trabalho».

Em declarações à SIC Notícias, Miguel Guimarães afirma que «sem contratar o capital humano necessário para ter uma boa capacidade de resposta num hospital que tem várias especialidades», bem como outras condições de trabalho, chegou-se a um «desgaste das administrações por estarem também em guerra contínua para resolver problemas que deveria ser o Governo a querer resolver».

Recorde-se que a situação em que se encontra a ala pediátrica levou o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, a passar o dia de Natal com as crianças internadas naquela unidade de saúde. No mesmo dia, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse que as obras da nova ala pediátrica deveriam arrancar este ano e ficar concluídas em 24 meses.

No passado dia 3, o hospital indicou que a obra da ala pediátrica era para começar no início do segundo semestre, prevendo-se para abril a transferência provisória da pediatria oncológica, atualmente em contentores, para o edifício central.

De salientar ainda que, em outubro passado, dois diretores do Centro Hospitalar de São João pediram a demissão dos cargos que ocupavam «por falta de recursos». Primeiro Álvaro Silva, até então diretor do Serviço de Cirurgia Plástica, e depois João Viterbo, diretor do Serviço de Anestesiologia.

19tm02n
10 de Janeiro de 2019
1902Pub5f18tm02n

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Pneumonia: Mais de 50% dos doentes de risco não são aconselhados a vacinar-...

A pneumonia mata, em média, 23 pessoas por dia nos hospitais portugueses, mais do dobro da média eur...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

Ministério da Saúde pede sindicância à Ordem dos Enfermeiros

A ministra da Saúde, Marta Temido, pediu à Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) para realiz...

por Teresa Mendes | 24.04.2019

 SESARAM continua a não registar assiduidade dos seus trabalhadores

Uma auditoria do Tribunal de Contas (TC) revelou, esta terça-feira, que o Serviço de Saúde da Região...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Manifesto da EFPIA reforça os benefícios das vacinas

«Construir uma Europa mais Saudável» é o título do manifesto criado pela Vaccines Europe, o grupo es...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Le...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadament...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.