Governo cria grupo de trabalho para definir estratégia nos eventos de massa

por Teresa Mendes | 16.01.2019

Objetivo é desenvolver a vertente de assistência médica
 O Governo está empenhado numa melhor gestão de risco clínico e maior capacidade de assistência médica nos eventos de massa.
Para o efeito, constituiu um grupo de trabalho que vai definir uma estratégia de preparação e resposta a estes eventos e respetiva operacionalização, «na salvaguarda da saúde pública».

«Estes eventos são cada vez mais frequentes no nosso país, com potenciais repercussões para a saúde, seja no contexto da Saúde Pública, da Emergência Médica ou, eventualmente, da Medicina de Catástrofe», lê-se no despacho publicado esta terça-feira pelo Ministério da Saúde, que reconhece «a importância de desenvolver a vertente de assistência médica, onde o papel da saúde é primordial».

António Marques da Silva, diretor do Departamento de Anestesiologia, Cuidados Intensivos e Emergência do Centro Hospitalar Universitário do Porto, é o coordenador deste novo grupo de trabalho que tem até ao final de março para apresentar um relatório à Tutela.

Entre as funções da nova equipa está o desenvolvimento de metodologias e ferramentas para identificação de necessidades, avaliação de risco e definição de medidas de resposta para a prevenção da doença, promoção e proteção da saúde das populações no contexto dos eventos de massa; bem como propor sistemas de classificação de eventos por nível de risco, valorizando a vertente clínica ou a sistematização de critérios relevantes como fatores agravantes do nível de risco para a melhor adequação do dispositivo de saúde às necessidades clínicas.

António Marques da Silva é o coordenador deste novo grupo de trabalho que tem até ao final de março para apresentar um relatório à Tutela sobre a estratégia nos eventos de massa 

Outros aspetos a desenvolver são a «normalização da dimensão e tipologia do dispositivo de saúde que deverá corresponder a cada evento segundo as respetivas características e particularidades, incluindo a dimensão das equipas de assistência médica e o cálculo de meios de emergência médica pré-hospitalar requeridos» e a identificação dos meios que as entidades promotoras devem providenciar em recursos infraestruturais, equipamentos e recursos humanos respeitantes ao apoio clínico, segundo a tipologia do evento.

O despacho assinado pela secretária de Estado da Saúde, Raquel Duarte, está acessível em https://dre.pt/application/file/a/117754168

19tm03j
16 de Janeiro de 2019
1903Pub4f19tm03j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 26.05.2020

Covid-19: Hospitais de campanha ficam isentos do pagamento da taxa à ERS

O Governo já decidiu: Os hospitais de campanha, criados no âmbito da resposta à epidemia por SARS-Co...

por Teresa Mendes | 26.05.2020

SPEDM defende inclusão da análise à função tiroideia no rastreio da mulher...

O Grupo de Estudos da Tiroide (GET) da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolism...

por Teresa Mendes | 26.05.2020

Fundação Portuguesa de Cardiologia apela à demonstração de afetos virtuais 

 Campanha inserida no mês dedicado à sensibilização para as doenças do coração<br /> Fundação Portu...

25.05.2020

Governo avalia incentivos financeiros para recuperar atos médicos cancelado...

A ministra da Saúde adiantou este sábado que o Governo está a estudar incentivos financeiros que per...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Insa promove estudo sobre saúde mental e bem-estar em tempos de pandemia 

 O Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Insa) está a promover um estudo para avaliar o...

por Teresa Mendes | 25.05.2020

Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados 

 Quase 20% dos doentes com Covid-19 recuperados permanecem internados por falta de resposta social....

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.