Resistência à vacinação entre as 10 maiores ameaças à saúde em 2019

21.01.2019

Temas são prioridade para os próximos 5 anos
A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou um Top 10 dos assuntos mais preocupantes em 2019 e que vão merecer a atenção no programa de trabalhos daquela instituição para os próximos cinco anos.
A recusa à vacinação e a prevalência de várias doenças que podiam ser prevenidas estão entre os temas que mais ameaças representam para a Saúde.

As 10 prioridades da OMS

1 - Poluição do ar e mudanças climáticas

A OMS estima que nove em cada 10 pessoas respiram ar poluído todos os dias. Poluentes microscópicos podem penetrar nos sistemas respiratório e circulatório, danificando pulmões, coração e cérebro, o que resulta na morte prematura de 7 milhões de pessoas todos os anos por doenças como cancro, acidente vascular cerebral e doenças cardiovasculares e pulmonares.

2 - Doenças crónicas não transmissíveis

Dados revelam que as doenças crónicas não transmissíveis, como diabetes, cancro e as doenças cardiovasculares, são responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo – o equivalente a 41 milhões de pessoas. Esse número inclui 15 milhões de pessoas que morrem prematuramente (entre 30 e 69 anos), sendo que mais de 85% dessas mortes prematuras ocorrem em países subdesenvolvidos.

3 – Pandemia de influenza

Segundo a OMS, o mundo enfrentará outra pandemia de influenza, a única coisa que ainda não se sabe é quando chegará e o quão grave será.

4 - Cenários de fragilidade e vulnerabilidade

A OMS destaca que cerca de 22% da população mundial vive em locais com crises prolongadas (uma combinação de fatores como seca, fome, conflitos e deslocamento populacional) e serviços de saúde mais frágeis. Nesses cenários, metade das principais metas de desenvolvimento sustentável, incluindo saúde infantil e materna, permanece não atendidas.

5 - Resistência antimicrobiana

A resistência antimicrobiana ameaça, segundo a OMS, um retrocesso para uma época em que não se conseguia tratar facilmente infeções como pneumonia, tuberculose, gonorreia e salmonelose.

6 - Ébola

No ano passado, a República Democrática do Congo passou por dois surtos de ébola, que se espalharam para cidades com mais de 1 milhão de pessoas. Uma das províncias afetadas também está em zona de conflito ativo.

7 - Atenção dos cuidados de saúde primários

Sistemas de saúde com um forte foco nos cuidados de saúde primários são essenciais para alcançar a cobertura universal de saúde, sublinha o organismo.

8 - Vacinação

Segundo a OMS, a relutância ou a recusa na vacinação ameaça reverter o progresso conseguido no combate a doenças evitáveis por imunização, como o sarampo, que aumentou 30% em todo o mundo. «[A vacina] é uma das formas mais custo-efetivas para evitar doenças – atualmente, previnem-se cerca de 2 milhões a 3 milhões de mortes por ano», salienta o organismo. Além disso, 1,5 milhão de mortes poderiam ser evitadas se a cobertura global de vacinação tivesse maior alcance.

9 - Dengue

Dados da OMS mostram que, atualmente, os casos de dengue estão a aumentar significativamente e que a doença já se espalha para países menos tropicais e mais temperados. A estimativa é que 40% de todo o mundo esteja em risco de contrair o vírus – cerca de 390 milhões de infeções por ano.

10 - HIV

De acordo com a entidade, apesar dos progressos, a epidemia do HIV continua a alastrar-se pelo mundo, com quase 1 milhão de pessoas que morrem atualmente com a doença a cada ano.

19tm04a
21 de Janeiro de 2019
1904Pub2f19tm04a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 24.06.2019

ANEM acusa Marta Temido de «enorme distanciamento da realidade»

A Associação Nacional dos Estudantes de Medicina (ANEM) «condena veementemente», numa carta aberta,...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

Apifarma contra novas orientações para estudos de avaliação económica

A Apifarma está «veementemente» contra a proposta do Infarmed para alteração das Orientações Metodol...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

 Taxas moderadoras nos centros de saúde vão acabar, mas de forma faseada

O fim das taxas moderadoras nos centros de saúde vai ser realizado de uma forma faseada, não entrand...

por Teresa Mendes | 24.06.2019

 «OSTEOGLUTIS» vence 3.ª Edição da Bolsa de Investigação em Mieloma Múltipl...

  «Tackling multiple myeloma by osteoblast cross regulation – OSTEOGLUTIS» é o nome do projeto vence...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

14 recomendações dos doentes para o SNS

A Convenção Nacional da Saúde (CNS), que juntou mais de 160 instituições do setor, nesta terça-feira...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

Campanha da DGS e IPDJ quer inspirar portugueses a praticar exercício físic...

 A Direção-Geral da Saúde (DGS) e o Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), com o apoio...

por Teresa Mendes | 21.06.2019

USF modelo B passam a ter de fundamentar a aprovação da carga horária

O Ministério da Saúde quer combater as diferentes práticas e interpretações, em termos de horários d...

19.06.2019

Texto da nova Lei de Bases da Saúde fica sem referências às PPP

O grupo de trabalho que discute a nova Lei de Bases da Saúde no Parlamento chumbou esta terça-feira...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.