Resistência à vacinação entre as 10 maiores ameaças à saúde em 2019

21.01.2019

Temas são prioridade para os próximos 5 anos
A Organização Mundial da Saúde (OMS) elaborou um Top 10 dos assuntos mais preocupantes em 2019 e que vão merecer a atenção no programa de trabalhos daquela instituição para os próximos cinco anos.
A recusa à vacinação e a prevalência de várias doenças que podiam ser prevenidas estão entre os temas que mais ameaças representam para a Saúde.

As 10 prioridades da OMS

1 - Poluição do ar e mudanças climáticas

A OMS estima que nove em cada 10 pessoas respiram ar poluído todos os dias. Poluentes microscópicos podem penetrar nos sistemas respiratório e circulatório, danificando pulmões, coração e cérebro, o que resulta na morte prematura de 7 milhões de pessoas todos os anos por doenças como cancro, acidente vascular cerebral e doenças cardiovasculares e pulmonares.

2 - Doenças crónicas não transmissíveis

Dados revelam que as doenças crónicas não transmissíveis, como diabetes, cancro e as doenças cardiovasculares, são responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo – o equivalente a 41 milhões de pessoas. Esse número inclui 15 milhões de pessoas que morrem prematuramente (entre 30 e 69 anos), sendo que mais de 85% dessas mortes prematuras ocorrem em países subdesenvolvidos.

3 – Pandemia de influenza

Segundo a OMS, o mundo enfrentará outra pandemia de influenza, a única coisa que ainda não se sabe é quando chegará e o quão grave será.

4 - Cenários de fragilidade e vulnerabilidade

A OMS destaca que cerca de 22% da população mundial vive em locais com crises prolongadas (uma combinação de fatores como seca, fome, conflitos e deslocamento populacional) e serviços de saúde mais frágeis. Nesses cenários, metade das principais metas de desenvolvimento sustentável, incluindo saúde infantil e materna, permanece não atendidas.

5 - Resistência antimicrobiana

A resistência antimicrobiana ameaça, segundo a OMS, um retrocesso para uma época em que não se conseguia tratar facilmente infeções como pneumonia, tuberculose, gonorreia e salmonelose.

6 - Ébola

No ano passado, a República Democrática do Congo passou por dois surtos de ébola, que se espalharam para cidades com mais de 1 milhão de pessoas. Uma das províncias afetadas também está em zona de conflito ativo.

7 - Atenção dos cuidados de saúde primários

Sistemas de saúde com um forte foco nos cuidados de saúde primários são essenciais para alcançar a cobertura universal de saúde, sublinha o organismo.

8 - Vacinação

Segundo a OMS, a relutância ou a recusa na vacinação ameaça reverter o progresso conseguido no combate a doenças evitáveis por imunização, como o sarampo, que aumentou 30% em todo o mundo. «[A vacina] é uma das formas mais custo-efetivas para evitar doenças – atualmente, previnem-se cerca de 2 milhões a 3 milhões de mortes por ano», salienta o organismo. Além disso, 1,5 milhão de mortes poderiam ser evitadas se a cobertura global de vacinação tivesse maior alcance.

9 - Dengue

Dados da OMS mostram que, atualmente, os casos de dengue estão a aumentar significativamente e que a doença já se espalha para países menos tropicais e mais temperados. A estimativa é que 40% de todo o mundo esteja em risco de contrair o vírus – cerca de 390 milhões de infeções por ano.

10 - HIV

De acordo com a entidade, apesar dos progressos, a epidemia do HIV continua a alastrar-se pelo mundo, com quase 1 milhão de pessoas que morrem atualmente com a doença a cada ano.

19tm04a
21 de Janeiro de 2019
1904Pub2f19tm04a

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Melhoria do SNS «cabe a todos»

Melhorar a qualidade de acesso, motivar os profissionais e aumentar a sua produtividade e reforçar o...

18.09.2019

Falta de medicamentos: Doentes alertam para «realidade assustadora»

Setenta associações de doentes enviaram uma carta ao Infarmed a alertar para a «realidade assustador...

por Teresa Mendes | 18.09.2019

 Curso de Atualização em Medicina Interna 2019 decorre de 18 a 23 de novemb...

Estão abertas as inscrições para o 2.º Curso de Atualização em Medicina Interna 2019, uma iniciativa...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Afinal, é a lei que limita fármacos inovadores a não ser perante risco imed...

Afinal, é a própria lei que limita as autorizações excepcionais para ter acesso aos fármacos inovado...

por Teresa Mendes | 17.09.2019

 Cancro de cabeça e pescoço mata três portugueses por dia

A Semana Europeia de Luta Contra o Cancro de Cabeça e Pescoço arrancou esta segunda-feira em Lisboa....

por Teresa Mendes | 17.09.2019

Só os neurónios mais viáveis sobrevivem no desenvolvimento do sistema nervo...

Ao contrário do pensado, não é o acaso que determina quais as células que irão formar o sistema nerv...

por Teresa Mendes | 16.09.2019

 Profissionais estão a «deixar de acreditar nesta forma única de organizaçã...

Prestes a iniciar o quarto trimestre de 2019, altura em que deveria estar a ser realizada a transiçã...

16.09.2019

Bastonária da OE chama Miguel Guimarães para ser ouvido no caso da sindicân...

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros (OE), Ana Rita Cavaco, quer incluir, como testemunhas, o ex-mi...

por Teresa Mendes | 13.09.2019

Pela primeira vez em seis meses, a dívida à Indústria Farmacêutica diminuiu

Pela primeira vez em seis meses, o valor da dívida dos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS)...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.