Doentes impedidos de levantar 64,1 milhões de embalagens de medicamentos

por Teresa Mendes | 25.01.2019

Número de fármacos por dispensar aumenta em 2018
Em 2018, 64,1 milhões de embalagens de medicamentos ficaram por dispensar nas farmácias portuguesas no momento da compra por falta de stock, revelou esta quarta-feira a Associação Nacional de Farmácias (ANF).

Trata-se do número mais elevado desde que o fenómeno começou a ser monitorizado em 2014, tendo aumentado quase 16 milhões relativamente a 2017. Estes números constam do mais recente relatório do observatório que foi criado há seis anos pelo Centro de Estudos e Avaliação em Saúde (Cefar) da Associação Nacional de Farmácias (ANF) para monitorizar este problema.

Os medicamentos que mais faltaram em 2018 foram o Sinemet (para a doença de Parkinson), o Trajenta (para a diabetes), o Aspirina GR (para doentes com tromboses e enfartes), o Spiriva (doença pulmonar obstrutiva crónica) e o Adalat (hipertensão).

Em 2018, 64,1 milhões de embalagens de medicamentos ficaram por dispensar nas farmácias portuguesas no momento da compra por falta de stock, revelou esta quarta-feira a Associação Nacional de Farmácias (ANF).
Trata-se do número mais elevado desde que o fenómeno começou a ser monitorizado em 2014, tendo aumentado quase 16 milhões relativamente a 2017

Fonte do setor farmacêutico queixou-se ao Correio da Manhã que o abastecimento dos laboratórios às farmácias é «irregular» porque «os preços praticados em Portugal são dos mais baixos da Europa» e há uma «falta de liquidez das farmácias para fazer stock».

Alguns dos medicamentos que os doentes não encontraram nas farmácias portuguesas no último ano são «considerados essenciais pela Organização Mundial de Saúde» e a sua falta coloca os doentes «em risco», noticia o referido jornal diário. 

Entretanto, o secretário-geral da ANF, Nuno Flora, disse, numa nota à Imprensa, que «as falhas dos medicamentos são um problema que resulta das dificuldades globais do setor».

«A maioria das farmácias tem prejuízo para dispensar os medicamentos essenciais, comparticipados pelo Estado e as dificuldades são maiores nas farmácias mais pequenas do Interior, que servem as populações mais idosas, isoladas», alertou o responsável.

19tm04t
25 de Janeiro de 2019
1904Pub6f19tm04t

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 29.05.2020

BE quer garantir subsídio de risco aos profissionais de saúde 

 O Bloco de Esquerda (BE) entregou esta quarta-feira um projeto de lei na Assembleia da República ap...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Uma notícia que nos alimenta a esperança» 

Dos 3398 profissionais de saúde infetados com a doença Covid-19, já recuperaram 2161, revelou esta q...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

«Este é o momento de contratar mais médicos e de recuperar as carreiras» 

«O nosso trabalho é salvar vidas, ajudar os portugueses e ajudar o país.»<br /> <br /> Foi desta f...

por Teresa Mendes | 29.05.2020

Sem confinamento SNS teria de atender três vezes mais doentes graves com Co...

Se o estado de emergência não tivesse vigorado em Portugal nos primeiros 15 dias de abril, as unidad...

por Teresa Mendes | 28.05.2020

Saldo do SNS em abril agravou-se 11,3 milhões de euros 

Em abril, o saldo do Serviço Nacional de Saúde (SNS) situou-se nos 149,2 milhões de euros negativos,...

por Teresa Mendes | 28.05.2020

Infarmed aprova financiamento de Keytruda® em combinação com pemetrexedo e...

O Infarmed aprovou, esta terça-feira, o financiamento de Keytruda® (pembrolizumab) em combinação com...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.