Lei de Bases da Saúde «deve garantir delimitação de sectores público e privado»

por Teresa Mendes | 25.01.2019

Fnam defende fim das taxas moderadoras 
Numa altura em que foram apresentadas várias propostas para uma nova Lei de Bases da Saúde, a Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela à Assembleia da República que «faça aprovar uma lei que garanta um Serviço Nacional de Saúde (SNS) público, com delimitação entre os sectores público e privado e que defenda as carreiras médicas».

Num comunicado divulgado esta quarta-feira, a Fnam defende ainda «um SNS público, universal, solidário e tendencialmente gratuito, sem cobrança de taxas moderadoras», considerando que estas «não moderam uma procura desnecessária».

Para aquela estrutura sindical «a promiscuidade entre o sector público e privado tem conduzido à depauperação do SNS, com o respaldo da Lei de Bases atualmente em vigor», defendendo ser «urgente definir uma política gradual de delimitação entre os sectores público, privado e social, a começar pelo fim do financiamento das unidades privadas através de dinheiros públicos».

Desta forma, afirma a Fnam, «as entidades do sector social e privado podem assumir um papel supletivo e temporário na prestação de cuidados de saúde, na ausência de resposta adequada e atempada do SNS». 

Por outro lado, «deve haver total transparência na acumulação de funções, por parte de profissionais, quando em trabalho nos vários sectores», lê-se no comunicado.

Numa altura em que foram apresentadas várias propostas para uma nova Lei de Bases da Saúde, a Federação Nacional dos Médicos apela à Assembleia da República que «faça aprovar uma lei que garanta um Serviço Nacional de Saúde público, com delimitação entre os sectores público e privado e que defenda as carreiras médicas» 

A Fnam considera ainda ser necessário «assegurar a negociação e integral aplicação dos Acordos Coletivos de Trabalho (ACT) em todos os locais de trabalho e garantir a implementação da carreira médica em todos os estabelecimentos de saúde».

«A política de saúde a ser salvaguardada na Lei de Bases da Saúde deve ser centrada nas pessoas, reforçando o papel dos Cuidados de Saúde Primários na estruturação do SNS enquanto padrão de prestação de cuidados de saúde de proximidade e de qualidade», defende o sindicato.

19tm04s
25 de Janeiro de 2019
1904Pub6f19tm04s

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 21.02.2020

Mais de 13 mil médicos estão registados na PEM Móvel

No dia em que se assinala o primeiro ano de existência da Aplicação de Prescrição Eletrónica Médica...

por Teresa Mendes | 21.02.2020

 CHULC promove 5.º Curso Clínico de Autoimunidade

A Unidade de Doenças Autoimunes do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) vai rea...

por Teresa Mendes | 21.02.2020

 Parlamento aprova despenalização da eutanásia

O Parlamento aprovou esta quinta-feira na generalidade os cinco projetos para despenalização da mort...

20.02.2020

Falta de médicos é «problema antigo», diz diretor clínico do HSM

O diretor clínico do Hospital de Santa Maria (HSM), Luís Pinheiro, disse esta quarta-feira aos deput...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

Médicos defendem o fim da tortura e negligência médica a Julian Assange

Numa carta publicada no início desta semana na revista The Lancet, um grupo de médicos de 18 países...

por Teresa Mendes | 20.02.2020

 «Farmacovigilância – partilha de responsabilidade»

 No próximo dia 5 de março, o Infarmed promove uma sessão de Manhãs Informativas dedicada ao tema «F...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.