UTAO  alerta para «suborçamentação crónica» na Saúde

por Teresa Mendes | foto de "DR" | 05.02.2019

Ministro das Finanças será ouvido esta quarta-feira no Parlamento
A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) alertou esta segunda-feira para uma situação de «suborçamentação crónica» na Saúde e Educação.
A conclusão consta do relatório daquela Unidade sobre a Conta Geral do Estado de 2017 (CGE/2017).

Mário Centeno, será ouvido esta quarta-feira no Parlamento, sobre o assunto na comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa.

«O reforço sistemático das despesas com pessoal no Ministério da Educação e a importância da utilização dos instrumentos de gestão centralizada para gerir as aquisições de bens e serviços no Ministério da Saúde sugerem situações de suborçamentação crónica que merecem um melhor enquadramento em sede de orçamentação», lê-se no relatório da UTAO, ao qual a Lusa teve acesso.

De acordo com os técnicos, as despesas com pessoal das administrações públicas apresentaram um desvio de 0,4 pontos percentuais, ultrapassando em 362 milhões de euros o previsto no Orçamento do Estado para 2017, tendo sido reforçadas em 381 milhões de euros (1,9% da dotação inicial), com recurso à dotação provisional.

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) apontou esta segunda-feira para uma situação de «suborçamentação crónica» na Saúde e Educação. A conclusão consta do relatório daquela Unidade sobre a Conta Geral do Estado de 2017

Este reforço representou 71,3% da dotação provisional, que é destinada a fazer face às despesas não previstas.
Destes, 66,4% foram destinados ao ensino básico e secundário, e administração escolar. «Não se trata de uma situação restrita ao ano de 2017, uma vez que no ano de 2016 esta utilização ascendeu a 52,3% e em 2015 a 53,2%, o que indicia uma suborçamentação persistente das despesas com pessoal no Ministério da Educação”, sublinha a UTAO.

Já a execução da rubrica de aquisição de bens e serviços beneficiou de um reforço de 520 milhões de euros com recurso às dotações centralizadas e dotação provisional.

Este reforço representa um acréscimo de 4,3% da despesa inicialmente prevista para o universo das administrações públicas, «mas o seu peso ascende a 10% das aquisições de bens e serviços no programa da Saúde», alertam os peritos.

Segundo a UTAO, «a dotação para aquisição de bens e serviços parece adequada no seu conjunto», mas permanece «suborçamentada na área da Saúde, com um peso muito expressivo de recurso a verbas de gestão centralizada no Ministério das Finanças».

Também a análise à situação da dívida não-financeira das administrações públicas em 2017 «revelou indícios da suborçamentação que atinge há vários anos o Serviço Nacional de Saúde (SNS)», alertam os técnicos do Parlamento.

Esta situação afeta em particular os hospitais EPE, que registaram um aumento no stock total da dívida e de pagamentos em atraso, bem como uma deterioração do prazo médio de pagamento.

Em finais de 2017, o valor acumulado de dívida não-financeira da administração central, incluindo os hospitais EPE e as entidades públicas reclassificadas, ascendeu a 3.357 milhões de euros, mais 515 milhões face a 2016, diz a UTAO com base no parecer do Tribunal de Contas à CGE/2017 e no relatório e contas da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS).

As entidades públicas inseridas no SNS contribuíram para 82,6% (2.772 milhões de euros) da dívida não-financeira da administração central, da qual 2.366 milhões com origem nos hospitais EPE.

Já o stock de pagamentos em atraso aumentou em 2017, invertendo a tendência decrescente de anos anteriores, já que nos hospitais EPE as dívidas em atraso cresceram 293 milhões de euros face a 2016.

Em 2017, o prazo médio de pagamento para um universo de 92% das entidades públicas foi igual ou inferior a 33 dias, contrapondo com os 140 dias no caso das entidades inseridas no SNS.

19tm06e
05 de Fevereiro de 2019
1906Pub3f19tm06e

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Na saúde não chega fazer muito... tem que se fazer bem»

«O sistema de saúde é complexo e não pode ser objeto de intervenções pouco pensadas, sujeitas a imed...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pinto conta com mais de 100 candi...

São mais de 100 as candidaturas recebidas pelo comité da 7.ª Edição do Prémio Maria José Nogueira Pi...

por Teresa Mendes | 19.06.2019

 «Beyond Cervical Cancer» é o mote do «HPV Clinical Cases»

A MSD Portugal está a promover o «HPV Clinical Cases», uma iniciativa que tem como objetivo «reunir,...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

Aumento da mortalidade materna e infantil são reflexo da falta de especiali...

A Ordem dos Médicos (OM) defende a necessidade de alterar urgentemente a forma e os prazos dos concu...

por Teresa Mendes | 18.06.2019

 Candidaturas ao Prémio Nacional de Saúde 2019 abertas até 30 de junho

Decorrem, até 30 de junho, as candidaturas Prémio Nacional de Saúde 2019.<br /> Este galardão atrib...

por Teresa Mendes | 17.06.2019

CE alerta para a diminuição do investimento na Saúde em Portugal

Um relatório da Comissão Europeia (CE) sobre a sustentabilidade financeira dos sistemas de saúde, di...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.