Lançada campanha «Não corte o futuro!»

por Teresa Mendes | 06.02.2019

Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina
No dia em o Dia Internacional de Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, que se assinala hoje, dia 6 de fevereiro, o Governo português lançou uma nova campanha sobre o tema que pretende «alertar para as consequências» da prática «no bem-estar de meninas e mulheres» e «mobilizar organizações e profissionais» para a sua «erradicação».

A campanha «Não corte o futuro!» é uma iniciativa da secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade, do Alto Comissariado para as Migrações e da Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género, em parceria com dez organizações da sociedade civil: Associação Corações com Coroa; Associação de Estudantes da Guiné-Bissau em Lisboa; AJPAS — Associação de Intervenção Comunitária, Desenvolvimento Social e de Saúde; Associação dos Filhos e Amigos de Farim; Associação Mulheres Sem Fronteiras; Associação para o Planeamento da Família; INMUNE – Instituto da Mulher Negra em Portugal; P&D Factor- Associação para a Cooperação sobre População e Desenvolvimento; União das Mulheres Alternativa e Resposta; e Comité Nacional para o Abandono de Práticas Nefastas à Saúde da Mulher e da Criança (Guiné-Bissau). 

O grafismo foi concebido pela designer Neusa Trovoada, do INMUNE – Instituto da Mulher Negra em Portugal.

A secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade adianta que «houve 63 registos de mutilação genital feminina» em Portugal no ano passado»

Em comunicado, a secretaria de Estado para a Cidadania e a Igualdade adianta que «houve 63 registos de mutilação genital feminina» em Portugal no ano passado, sublinhando que, em todos os casos, identificados por profissionais de saúde, «a mutilação foi praticada fora de Portugal e, em alguns casos, muitos anos antes de ter sido detectada».

Como já anunciado em novembro, cinco agrupamentos de centros de saúde da área metropolitana de Lisboa vão coordenar ações na área da mutilação genital feminina a partir deste mês, com vista a prevenir e detetar casos e conhecer melhor o fenómeno.
Essa rede de profissionais de referência (médicas/os, enfermeiras/os, psicólogas/os e assistentes sociais com formação específica sobre MGF) funcionará como ponto de contacto junto dos seus pares.

Em dezembro, o Governo anunciou também que vai apoiar o curso de pós-graduação «Saúde Sexual e Reprodutiva — Mutilação Genital Feminina», na Escola Superior de Saúde do Instituto Politécnico de Setúbal, que já começou.

A mutilação genital feminina afeta 200 milhões de mulheres e meninas em mais de 50 países, de origem (sobretudo africanos) e de acolhimento (muitos europeus).
Estima-se que em Portugal vivam 6500 mulheres excisadas, na maioria originárias da Guiné-Bissau, país que tinha uma taxa de prevalência de 30% em 2014.

19tm06L
06 de Fevereiro de 2019
1906Pub4f19tm06L

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 23.04.2019

SIM pondera convocar greve dos médicos do Instituto Nacional de Medicina Le...

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) pondera o «endurecimento das formas de luta», nomeadament...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

APDIP reclama estatuto de doença crónica para as imunodeficiências primária...

Na semana mundial dedicada às imunodeficiências Primárias, que se assinala de 22 a 29 de abril, a As...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Instituto de Medicina Legal passa a realizar autópsias aos fins-de-semana e...

O Conselho de Ministros (CM) aprovou nesta quinta-feira a proposta de lei que permite ao Instituto N...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

Fisioterapeutas contra regulamento do Acto Médico

A Associação Portuguesa de Fisioterapeutas (Apfisio) está contra o projeto de regulamento do Acto Mé...

por Teresa Mendes | 23.04.2019

Encontro internacional debate futuro do envelhecimento<br />  

A Academia Nacional de Medicina de Portugal (ANMP), o Science Advice for Policy by European Academie...

por Teresa Mendes | 22.04.2019

 Luís Martins Amaro nomeado novo presidente do Hospital Garcia de Orta

O actual diretor executivo do agrupamento de centros de saúde Almada-Seixal, Luís Manuel Martins Ama...

por Teresa Mendes | 18.04.2019

Médicos, sindicatos e associações de doentes vão fazer périplo pelo SNS

 O Fórum Médico, plataforma que reúne todas as associações e estruturas médicas, decidiu avançar com...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.