ANF lança petição para salvar as farmácias

por Teresa Mendes | 06.02.2019

Estabelecimentos em zonas mais isoladas não estão a conseguir sobreviver 
Actualmente, quase 25% das farmácias (675) enfrentam processos de penhora e insolvência, alerta a Associação Nacional das Farmácias (ANF).
Numa numa petição lançada esta segunda-feira é salientado que «as farmácias têm prejuízo para garantirem a dispensa de medicamentos comparticipados pelo Estado» e que «as que servem populações mais isoladas e envelhecidas, não estão a conseguir sobreviver».

Na petição, as farmácias apelam ao Parlamento para que seja feito um «programa legislativo» que garanta «a igualdade e a equidade» de todos os portugueses no acesso aos medicamentos e evite o fecho de farmácias em situação frágil.

São sete os objetivos que constam desse programa, entre os quais, a atribuição de «incentivos e melhores condições de funcionamento às farmácias mais frágeis» e a proibição da «concentração de farmácias e a sua instalação dentro dos hospitais».

Actualmente, quase 25% das farmácias (675) enfrentam processos de penhora e insolvência, alerta a ANF. Numa numa petição lançada esta terça-feira é salientado que «as farmácias têm prejuízo para garantirem a dispensa de medicamentos comparticipados pelo Estado» 

Combater as falhas de medicamentos, garantindo aos doentes o acesso na farmácia a todos os medicamentos receitados pelos médicos, e «promover o uso racional dos medicamentos, proibindo qualquer prática que incentive o seu consumo, como os descontos nos medicamentos com preço fixado pelo Estado», são outras das medidas propostas.

Os peticionários solicitam ainda que seja fixado «um critério de remuneração igual para todos os agentes do sector do medicamento» e que se aproxime «os medicamentos das pessoas», promovendo a dispensa na farmácia de medicamentos oncológicos e para o VIH-sida, a vacinação contra a gripe e outras intervenções em saúde pública, com particular atenção aos doentes crónicos.

A petição assinala os 40 anos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), que se comemoram este ano, afirma que «a melhor forma de celebrar esta obra maior» da Democracia «é garantir a sua sobrevivência no século XXI».

19tm06j
06 de Fevereiro de 2019
1906Pub4f19tm06j

Publicada originalmente em www.univadis.pt

E AINDA

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Fnam pede intervenção do CNS para reformular organização dos hospitais 

A Federação Nacional dos Médicos (Fnam) apela ao presidente do Conselho Nacional de Saúde (CNS) para...

15.02.2019

 Ministério da Saúde vai abrir novas convenções na área da hemodiálise

O Ministério da Saúde vai abrir novas convenções com prestadores para a área da hemodiálise, esperan...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

 Ciência Viva abre candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde»

Estão abertas as candidaturas ao concurso «Comunicar Saúde», uma iniciativa da Ciência Viva - Agênci...

por Teresa Mendes | 15.02.2019

Publicado o primeiro manual de apoio à pessoa com doença rara

As pessoas com doença rara têm, pela primeira vez, acesso a um manual de apoio, que compila informaç...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

Desde 2013 que o SNS não fazia tão poucas cirurgias

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) registou um aumento da atividade assistencial em 2018, quer no núm...

por Teresa Mendes | 14.02.2019

O BREXIT explicado às empresas do setor da Saúde

Para esclarecer a questão do BREXIT às empresas portuguesas do setor da Saúde, a AICEP organiza, em...

A reprodução total ou parcial deste site é proibida,
excepto se autorizada expressa e previamente pela Impremédica, Imprensa Médica, Lda.,
nos termos da legislação em vigor.